Conheça a jornada inspiradora de Reinaldo Charão.

Foto: Reinaldo Charão, arquivo pessoal

O universo esportivo é repleto de histórias de esforço e determinação, o atleta canoense Reinaldo Charão é a prova disso. Aos 46 anos, Charão leva a vida com coragem, superando desafios e inspirando outros com sua paixão pelo tiro com arco, tudo isso enquanto lida com as limitações impostas por uma deficiência física decorrente de sequelas de paralisia cerebral. O paratleta, movido por uma paixão que transcende barreiras, se prepara para representar o país nos Jogos Paralímpicos de Paris 2024, levando consigo não apenas a busca por medalhas, mas a mensagem poderosa de que a verdadeira vitória está na superação constante. 

Sua história começou a se desenrolar em 1992, quando na cerimônia de abertura das Olimpíadas de Barcelona, Charão assistiu ao arqueiro paralímpico espanhol Antonio Rebollo atear fogo à tocha olímpica com um tiro emocionante. Este momento deixou uma marca profunda no gaúcho, e tornou-se a semente de um sonho que demorou 25 anos para concretizar-se. 

Antes de se dedicar ao tiro com arco, Charão praticava basquete em cadeira de rodas, treinando no ginásio Tesourinha, pela Associação RS Paradesporto, em Porto Alegre. Mas foi somente em 2017, que finalmente deu início à sua jornada no tiro com arco, enfrentando as limitações impostas por sua condição física.  

Com uma classificação funcional que permite o uso do equipamento sem adaptações, Charão treina sentado em uma cadeira de rodas especialmente ajustada para suas necessidades. “Minha rotina de preparação inclui treinos intensivos duas a três vezes por semana, com sessões de alongamento e academia para manter meu corpo em plena forma. Nos períodos pré-competição, a dedicação aumenta para cinco treinos semanais”, disse o atleta.  

A primeira vitória e marcos inesquecíveis 

Com um sorriso nostálgico, Charão lembra da sensação de conquistar seu primeiro título estadual no Campeonato Masculino de Arco Composto, em 2019. “Essa vitória foi mais que um troféu, foi a confirmação de que posso alcançar objetivos ainda maiores no tiro com arco. Foi nesse momento que percebi que a minha jornada não consistia apenas em superar limitações físicas, mas também em desafiar o impossível e deixar uma marca duradoura no esporte para todos que enfrentam desafios semelhantes”, relembrou.  

Esta experiência marcante resultou em um acúmulo de conquistas ao longo de sua carreira. O atleta destacou-se como Campeão Gaúcho Indoor em 2019, Campeão Brasileiro Paralímpico em 2021, e os títulos do Para Pan Archery em Santiago do Chile, em 2022. Contudo, seu feito mais recente e marcante foi o título de Vice-campeão Mundial por equipe (dupla mista) em 2023, na República Tcheca. 

Questionado sobre sua participação nos Jogos Parapan-Americanos, em novembro de 2023, Charão compartilhou sua decisão de não competir nesta edição. Sua escolha, embora envolva uma ausência nos Pan-Americanos, é movida pelo recente sucesso no Mundial da República Tcheca. Nessa competição, Reinaldo e sua parceira Jane Karla conquistaram a medalha de prata na categoria de dupla mista, garantindo assim a vaga para Paris 2024. A peculiaridade do sistema de qualificação impede a participação da dupla nos Pan-Americanos, já que, assegurando o lugar em Paris, Charão e Karla deixam espaço para outra dupla brasileira buscar a sua própria qualificação nos Jogos Pan-Americanos.  

Foto: Reinaldo Charão, arquivo pessoal

O caminho para chegar até Paris 2024 

A jornada rumo ao Mundial da República Tcheca e, subsequentemente, à vaga paralímpica, teve início no Campeonato Brasileiro Paralímpico de 2022, realizado em Maricá, no Rio de Janeiro. Na oportunidade, Charão conquistou seu segundo título brasileiro e também assegurou o primeiro lugar na seletiva, garantindo sua presença na seleção brasileira de tiro com arco.  

No ParaPan Archery no Chile, em novembro de 2022, Reinaldo Charão conquistou uma medalha de bronze na equipe mista e uma medalha de ouro na dupla masculina, alcançando seu melhor resultado até então e contribuindo para o feito inédito da seleção brasileira. Essa conquista abriu as portas para o Mundial na República Tcheca, onde, além de garantir a vaga para Paris 2024, a equipe brasileira trouxe para casa duas medalhas, marcando um feito histórico para o país dentre 14 edições de mundiais. 

Charão transforma Canoas em um ponto esportivo para o tiro com arco 

Charão relembra os desafios de 2017 e fala da dificuldade que foi encontrar um local adequado para a prática do tiro com arco. Hoje a realidade é muito diferente e ele possui um campo de tiro com arco, para sua prática, em sua cidade natal, Canoas. “É mais do que uma instituição educacional. É um espaço onde outros atletas obtêm inspiração e oportunidades para a prática desportiva”, destaca Charão com orgulho. Porém, a criação de uma associação local e a constante necessidade de recursos é um desafio não só para ele, mas também para toda a comunidade de tiro com arco de Canoas. 

Apoios fundamentais: família, investimento e reconhecimento governamental 

Ao longo da trajetória de Reinaldo Charão, o apoio da família emergiu como um alicerce crucial. Sua esposa, Stellla Ferreira, desempenhou um papel fundamental desde o início, auxiliando com a compra de equipamentos e apoiando nos investimentos iniciais no tiro com arco. O custo inicial foi significativo, somando aulas e materiais, totalizando aproximadamente 50 mil reais ao longo dos seis anos. Esse investimento, porém, foi justificado pelo retorno inestimável, levando Charão ao alto rendimento, onde agora não precisa mais financiar pessoalmente sua prática. 

A ausência resultante das competições, muitas vezes durante 15 dias ou mais, é suportada com compreensão pela esposa e pelo filho de Charão, que, aos 12 anos, também entende as demandas do esporte.  

Foto: Reinaldo Charão, arquivo pessoal

O apoio governamental, de diversas formas, é crucial para Charão. A utilização de espaços públicos, como o atual campo em Canoas, destaca a importância do suporte do governo local. Além disso, o Bolsa Atleta e recentes patrocínios da Loterias Caixa têm sido vitais. O Bolsa Atleta, em particular, não apenas fornece suporte financeiro, mas também o reconhecimento por resultados expressivos, impulsionando Charão a manter seu desempenho entre os melhores do Brasil. 

Enquanto planeja a compra de novos equipamentos, incluindo um arco reserva e uma cadeira de rodas aprimorada, ele está ciente de que os apoios financeiros e patrocínios são essenciais para manter e melhorar sua performance. Olhando para o futuro, Charão busca novos projetos e patrocinadores para fortalecer ainda mais seu trabalho no tiro com arco paralímpico. 

Conciliando a vida profissional, familiar e esportiva 

Por trás da vida de atleta, surge a figura de um servidor público. Reinaldo Charão, oficial de controle externo no Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul (TCE-RS), desde abril de 2014, desempenha também o papel de coordenador-geral do Sindicato dos Oficiais de Controle Externo (Sind-TCE). Esta entidade atua de forma protagonista na defesa dos direitos do quadro funcional, tanto os servidores ativos quanto aposentados, do TCE-RS, além de se envolver nas demandas coletivas e individuais de seu quadro social. 

Charão, que não é um atleta profissional em tempo integral, enfrenta o desafio de conciliar suas atividades esportivas com o horário de trabalho e as obrigações familiares. Inicialmente, devido às limitações de tempo, seus treinos eram restritos aos finais de semana, contudo, a pandemia trouxe uma mudança positiva com a adoção do trabalho remoto. Essa flexibilidade permitiu a adaptação dos horários de treino, otimizando o tempo disponível. 

A habilidade de ajustar os horários de treino conforme as condições climáticas e outras obrigações diárias é fundamental, e o regime de home office proporcionou essa flexibilidade. A relação com o ambiente de trabalho também desempenha um papel crucial. Charão destaca a compreensão e o apoio de seus colegas e chefias do TCE-RS, onde obteve a flexibilidade necessária para conciliar o trabalho e o treinamento. Essa compreensão foi importante para que ele alcançasse um volume ideal de treinos e desempenho no tiro com arco. 

Incentivando a inclusão esportiva 

Respondendo à questão de como outras pessoas com deficiência podem envolver-se no desporto de alto rendimento, Charão sublinha a importância de iniciar atividades desportivas de elite em associações especializadas. Ele cita várias entidades e projetos que apoiam esportes para deficientes e incentiva os interessados ​​a explorarem essas oportunidades.  

Reinaldo destaca que o apoio das federações esportivas é fundamental para os atletas paralímpicos, pois proporciona, além de orientação, a aquisição dos equipamentos necessários. Ele compartilha sua experiência positiva ao receber material da Federação Brasileira de Tiro com Arco para ministrar suas oficinas, permitindo-lhe ensinar sem utilizar recursos próprios.  

Por fim, Charão ressalta a importância da dedicação e a compara ao fato de se preparar para um concurso público. Decidiu apostar no desporto de elite depois de alcançar estabilidade financeira durante a sua carreira no Tribunal de Contas. “Esta decisão reflete uma escolha consciente de colocar a minha paixão pelo tiro com arco à frente de outras atividades”, apontou o atleta.  

Metas a alcançar 

Agora, a concentração se intensifica com a rotina de treinos e cuidados físicos moldando-se para alcançar o auge da forma atlética em agosto de 2024, nos Jogos Paralímpicos de Paris. Apesar de outros desafios pela frente, como o torneio mundial pré-olímpico em Dubai no início do próximo ano, Charão expressa sua maior expectativa: repetir o sucesso da República Tcheca na categoria de dupla mista, pois isso significaria uma medalha paralímpica para o Brasil.  

Equilibrando a vida profissional de um funcionário público, as responsabilidades familiares e os rigores do treino desportivo, Charão destaca-se não só como um atleta de elite, mas também como um exemplo de como a determinação pode moldar o caminho para o sucesso. Com essa mensagem, Charão pretende não só ganhar medalhas, mas também criar um legado que incentive a participação no desporto e inspire outros a alcançarem as suas próprias vitórias pessoais.