Cultura

“Show da Priscila”, da TV Colosso, terá novos episódios

O ator gravataiense Paulo Adriane, que deu vida à personagem nos anos 90, retoma as gravações

No início dos 90, uma personagem inusitada conquistou crianças e adultos na televisão aberta. E ela está prestes a voltar. A Priscila da TV Colosso, uma enorme sheepdog branca com um lacinho na cabeça, que comandava as manhãs na Rede Globo em 1993, irá retornar.

Segundo o ator gaúcho Paulo Adriane dos Santos, intérprete da estrela da atração, e a produtora Grupo Cem Modos, novos episódios do Show da Priscila serão gravados a partir do dia 18 de setembro.

Ainda não foi definido, porém, onde esses episódios serão exibidos.

Natural de Porto Alegre e residente de Gravataí, Paulo, hoje aos 47 anos, foi quem deu vida ao boneco animatrônico – também operado através de recursos de eletrônica e robótica – durante três anos. Recentemente, na comemoração de 50 anos da emissora, Paulo esteve no Projac para reviver a sheepdog adorada pela criançada do início dos anos 90.

 

 

A carreira do ator, porém, não se restringe à sua personagem mais popular. Em Gravataí, ele também é lembrado pelos personagens que interpreta em espetáculos da cidade. Sua ligação com a cultura começou cedo: aos seis anos,  já dançava junto grupo do Centro de Tradição Gaúchas Aldeia dos Anjos – fundado com participação de seu avô- e localizado no município onde ainda reside atualmente.

Único ator da família, o gosto de  Paulo por espetáculos e o envolvimento cultural foram herdados por esse mesmo avô, que era cantor, tocava violão e gaita. “Uma das melhores coisas que aconteceu na minha vida foi o envolvimento com o Aldeia dos Anjos (nome do CTG). As atividades lá proporcionam comprometimento, disciplina e vínculo familiar. Dos 6 aos 23 anos dancei lá, das 11 premiações do CTG, eu participei de duas”, relembra.

Aos 18 anos, durante sua participação em uma festa caipira, Paulo criou seu primeiro personagem: Joãozinho. “Naquela festa, criei esse personagem para brincar, usei as roupas do meu avô de caipira e todos adoraram o resultado da brincadeira. A partir daquele dia eu vi que gostaria de fazer aquilo”, conta.

No início de sua carreira, trabalhou na Secretaria de Ação Social. Em 1993, porém, foi demitido da função e decidiu investir pesado no teatro. Nesse período, começou a traçar um novo caminho para a sua vida e partiu rumo ao Rio de Janeiro em uma excursão de ônibus, para fazer cursos na área e buscar oportunidades artísticas na cidade.

O ator relembra que a viagem fez parada na cidade de Aparecida do Norte. Devoto de Nossa Senhora Aparecida, à época ele aproveitou o momento para reflexão. “Naquele dia, eu precisei ter uma conversa com a Nossa Senhora de pertinho. Estava indo para o Rio em busca de um sonho, uma oportunidade, e precisava do amparo dela”, relembra.

E foi exatamente isso que ocorreu logo no início de sua estadia no Rio. No segundo dia na cidade, retornando de um teste do seriado Confissões de Adolescente, da TV Cultura, o ônibus estragou e, em meio ao tumulto, Paulo encontrou um diretor do programa TV Colosso, que comentou sobre o teste no dia seguinte. A partir daí, o gravataiense decidiu mudar os trilhos da viagem.

Paulo participou da seleção com 80 atores, que ocorreu no Estúdio Renato Aragão. “Fiz o teste com aquele boneco enorme, pesado e quente. Não conseguia me mexer direito, mas lembro que fui para o chão e comecei a mexer as pernas e me movimentar. Outras duas pessoas ajudavam com a movimentação do boneco. Foi um sucesso, nunca vou esquecer aquela cena”, conta.

No período, o programa já estava no ar há oito meses. Enquanto estava morando em Gravataí, ele acompanhava pela televisão os episódios da animação. “Gostava muito de ver, achava o personagem muito legal, já conhecia o trabalho, mas nunca imaginava que poderia me tornar a Priscila na Rede Globo”, ressalta, feliz, ao relembrar a história de vida.

Até 1997, o ator interpretou os movimentos de Priscila –  dublada pela atriz Mônica Rossi – que encerrou as atividades naquele ano. Após a sua participação no programa, foi convidado para outros trabalhos na TV Globo. Entre eles, duas inserções na novela Belíssima, dois episódios em A Diarista e três capítulos no Sítio do Pica-pau Amarelo. Também deu vida aos personagem Catxorro e Gaol, na TV Xuxa.

Entre os espetáculos infantis nos quais atuou,  se destacam Piratas, no qual conquistou o prêmio Tibicuera de Melhor Ator Coadjuvante, em 2011, Os Crimes da Rua do Arvoredo, Altafidelidade – Uma Fábula sobre a Violência Urbana e Transegur.

Em Gravataí, Paulo é ator e diretor geral do espetáculo A Paixão de Cristo, no qual desde 1999 interpreta Jesus Cristo, em homenagem à Sexta-feira Santa. Neste ano, a encenação não ocorreu em virtude da falta de verbas para custeio da peça teatral. O projeto envolve 130 pessoas, dentre elas 70 atores que dedicam-se durante dois meses para os ensaios.

Na cidade, também é ator, diretor e produtor da Cia de Atores Independentes, orientador de audiovisual no projeto “Heitor, nós na fita!”e do “Mais Cultura”, da Escola Heitor Villa-Lobos, que envolve a participação de 13 estudantes. Atua, ainda, como ministrante de teatro no Sesc, ator das agências UP Models e instrutor de interpretação para danças gaúchas em CTG’s da região do Vale do Gravataí.

Atualmente, Adriane também é conselheiro de cultura no Conselho Municipal de Política Cultural. Em outras cidades, como Capão da Canoa, atua e dirige o Núcleo Artístico do Acqualokos Parque Hotel. O ator faz, ainda, participações junto à Contexto Agência de Artistas de Porto Alegre, da Telúrica Produções, também na capital gaúcha, e é ator do Grupo Cem Modos, no Rio de Janeiro.

Lida 3413 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.