Política

Rebaixamento do Trensurb em Canoas aguarda verba para iniciar

Apenas no projeto, o rebaixamento do trem em Canoas aguarda verba do Governo Federal para o início das obras

David Farias e Amanda Moura

 

Projeção de como ficará o centro de Canoas após o rebaixamento do Metrô. (Foto: Prefeitura de Canoas)

Projeção de como ficará o centro de Canoas após o rebaixamento do Metrô. (Foto: Prefeitura de Canoas)

A falta de verba é uma realidade para muitos municípios. Canoas, apesar de seus 532.678 mil habitantes e PIB de R$ 16,5 bilhões, também sofre com isso. Em 1984, Canoas foi partida ao meio a partir do início das operações da Trensurb. Desde então, uma das cidades que mais crescem no Rio Grande do Sul está aguardando a obra de rebaixamento do trem, para ser unificado novamente. O argumento para a espera é a falta de dinheiro: são necessários R$ 400 milhões, que devem ser investidos pelo governo federal por meio do Programa de Aceleração do Crescimento 3 (PAC3).

A iniciativa do rebaixamento só saiu do papel em 2012, quando o governo federal liberou R$ 6 milhões para a formalização do projeto. Sob responsabilidade da empresa Bourscheid Engenharia e Meio Ambiente, já foram realizadas todas as etapas do projeto, inclusive a análise de solo e a projeção de como será o novo Centro de Canoas.

O projeto de rebaixamento está previsto no plano de governo registrado no TSE em 2012 pela atual gestão, mas não há compromisso com o começo efetivo das obras – o que deixa a dúvida para a população canoense sobre a sua efetiva realização no futuro. Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, “o projeto é da Trensurb, em parceria com a empresa Bourscheid, o qual está pronto e depende, agora, da abertura do programa do governo federal para inseri-lo na captação de recursos para sua execução. Esse projeto não tem parceria com o governo do Estado”.

Dos R$ 400 milhões necessários, o deputado federal Luiz Carlos Busato sugeriu à bancada gaúcha na Câmara dos Deputados a liberação de R$ 200 milhões em recursos da União para o rebaixamento do metrô na área central de Canoas. A proposta foi analisada e aprovada, porém o valor liberado pelo relator-geral do Orçamento da União para 2016, deputado Ricardo Barros, ficou inicialmente em R$ 15 milhões.

Para Busato, o rebaixamento do trem acabará com o principal problema de mobilidade urbana de Canoas. “Faz mais de uma década que levanto essa bandeira da necessidade de corrigir essa injustiça com o povo canoense. Os trilhos da Trensurb cortam a cidade no meio, causando problemas crônicos no trânsito”, relata Busato.

Recentemente, no final de 2015, foi entregue à população a revitalização do Centro de Canoas. A reforma é parte do programa Prefeitura de Canoas para Todos e, segundo a assessoria, não tem ligação com o rebaixamento do Trensurb. A revitalização e ampliação compreendeu o Largo da Praça da Bandeira, o Calçadão, a Rua Tiradentes e a Praça da Bíblia, e se deve ao investimento do Banco de Desenvolvimento Andino.

Conheça o projeto

O trem será subterrâneo em cerca de 2,4 quilômetros, indo do entorno da Praça Araçá até a altura do Canoas Shopping. Além disso, abrangerá a implantação de um corredor de ônibus, a construção de um boulevard e de uma esplanada de integração, visando a circulação de pessoas, carros e transporte coletivo junto da estação Canoas.

Assista ao vídeo para saber mais sobre o projeto:

Lida 1447 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.