Política

Politicamente Mulher: Prefeita de Sapiranga conquista reeleição lutando contra comparações

Em seu último episódio, a série especial da Beta Redação apresenta a segunda mulher à frente do Executivo

Daniela Tremarin, Ellen Renner, Graziele Iaronka, Paloma Griesang e Victória Freire

 

A série especial Politicamente Mulher chega na sua última parada. Durante nossa viagem, conhecemos as sete prefeitas da Região do Vale, composta por 14 municípios. Elas também fazem parte das 31 mulheres eleitas para prefeituras em todo o Estado.

O espaço ocupado pode ser pequeno – foram 455 homens eleitos em 2016 -, mas é importante. Se em 2017 a presença feminina na política ainda é baixa, imagine há 58 anos. Em 1959, mulheres ocupando cargos de poder com tanto destaque no Executivo era algo muito raro. Mas foi justamente no Rio Grande do Sul que a primeira mulher ficou à frente do cargo. Naquele ano, após dois mandatos como vereadora, Maria Emília de Paula conquistou a cadeira de prefeita do município de São Leopoldo.

Maria Emília abriu o caminho para que outras mulheres ocupassem espaços de destaque nos Executivos gaúchos. Hoje seu nome é reconhecido batizando avenidas, escolas e até mesmo uma comenda que premia lideranças de destaque em São Leopoldo. Mas o legado mais importante foi a representatividade.

Coincidentemente (ou não), a primeira prefeita mulher do Estado veio do Vale do Sinos, assim como as sete personagens dessa série. Durante as seis semanas anteriores, a Beta Redação conversou com Tânia Terezinha, Fátima Daudt, Carla Chamorro, Ivete Grade, Maria de Lourdes Baurmann e Mara Susana Schaumloeffel Stoffel.

Para encerrar a série Politicamente Mulher, desembarcamos em Sapiranga. Vamos conhecer a trajetória e os projetos da prefeita Corinha Molling (PP).

 

De primeira-dama a prefeita

Para Corinha Beatris Ornes Molling, 53 anos, a política vem desde a infância. Segundo a prefeita de Sapiranga, desde os oito anos ela já demonstrava interesse pelo tema. A caminhada de Corinha começou em 1984, quando entrou na Secretaria de Educação como funcionária concursada. O trabalho a aproximou da comunidade, o que fez com que ela entrasse na vida política.

A primeira experiência no Executivo foi como primeira-dama, nos oito anos em que Renato Molling (PP), hoje deputado federal, ocupou o cargo de prefeito de Sapiranga. Após acompanhar o marido durante essas duas gestões, a própria Corinha se candidatou. Ela concorreu a vice, mas não venceu a disputa. Sem desistir, em outra eleição decidiu encarar a candidatura a prefeita, conseguindo se eleger. No primeiro mandato teve que enfrentar comparações não só com o marido, mas também com Marlene dos Santos Wingert, primeira mulher a comandar o município, entre 1989 a 1992.

Trabalhando para estabelecer sua identidade própria e se distanciar das comparações, em 2016 Corinha alcançou a reeleição. Ela teve 20.502 votos, 41,30% do eleitorado, assumindo a prefeitura por mais quatros anos. Conheça agora um pouco mais sobre a prefeita reeleita de Sapiranga.

 

Lida 90 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.