Esporte

Parceria entre clube de rugby e escolas municipais ajuda a difundir o esporte em Novo Hamburgo

Brummers Rugby Clube aposta na juventude para popularizar a modalidade

Apesar dos seus mais de 150 anos de existência, o rugby não é um esporte que está difundido dentro da cultura brasileira. Existe uma luta quase que diária enfrentada por seus praticantes para que alcance um patamar elevado de visibilidade. Dentro desse contexto, os clubes têm um papel muito importante para que essa propagação seja feita no Brasil. Um exemplo disso é o trabalho realizado pelo Brummers Rugby Clube, time formado em Novo Hamburgo e que em 2017 completa 10 anos da sua criação.

Treino do Brummers Rugby Clube (Foto: Lucas Schardong)

Treino do Brummers Rugby Clube (Foto: Lucas Schardong/Beta Redação)

Durante a sua trajetória, o Brummers passou por altos e baixos, e se encontra agora em um momento de reestruturação. Os últimos campeonatos disputados pela equipe de categoria adulta não renderam grandes resultados. Como o objetivo de organizar o clube para que ele suba de nível em relação ao rugby gaúcho e brasileiro, o clube aposta nas categorias de base. É o que explica o técnico do time juvenil e auxiliar do time adulto, Diogo Farezin.

“Eu tenho a expectativa que o Brummers assuma um papel de protagonista no rugby gaúcho. Hoje nossa força está nas categorias de base, só que esses jogadores não fizeram a transição para o adulto. Quando eles subirem, e agregando outros jogadores da categoria adulto, espero que possamos alcançar o protagonismo”, diz Diogo.

Esse trabalho desenvolvido com os jovens acontece, principalmente, através de parcerias com as escolas municipais e estaduais de Novo Hamburgo e cidades próximas. Exemplo da Escola Municipal Presidente Getúlio Vargas, onde o Brummers já trabalha há três anos e tem estabelecido um nível de relacionamento maior. O clube faz uma atividade de capacitação com os professores de educação física das instituições de ensino, mostrando os fundamentos do esporte, técnicas e táticas de jogo. Com esse aprendizado, eles serão capazes de ministrar aulas voltadas para o tag rugby, com a intenção de aumentar o interesse dos jovens no esporte e, por consequência, no clube.

O tag rugby é um formato um pouco diferente do esporte tradicional. Apesar de manter os fundamentos básicos do jogo, ele não possui o impacto físico entre os jogadores. Essa modalidade foi criada como uma maneira de dar iniciação ao esporte para crianças e jovens, principalmente dentro das escolas. Com o contato físico quase inexistente, os jogadores devem retirar fitas que estarão presas ao cinto dos adversários. Mesmo depois, com a iniciação dos impactos físicos, o diretor técnico do Brummers, Marcelo Acker, afirma que apesar de o rugby ser um esporte de contato intenso, ele não é violento. “O rugby é um jogo duro, tem bastante disputa física. Mas uma característica importante dele é a lealdade. O esporte prega o respeito ao adversário, ao árbitro e à torcida.”

Como uma forma de contrapartida, as escolas participantes do projeto se comprometem a formar times de rugby para participar de uma olimpíada interescolar organizada pelos técnicos e jogadores do Brummers. Além de criar um interesse dos alunos para jogar no clube, os técnicos também podem fazer uma avaliação de desempenho dos estudantes, para saber quais estariam mais qualificados para participar dos times de competição.

Outro benefício que a parceria com as escolas trouxe foi um novo campo de treinamento para o Brummers. O projeto de colaboração vinculado com o Colégio Estadual Senador Alberto Pasqualini fez com que o clube pudesse praticar o rugby no campo da própria escola, utilizar algumas salas de aula para ensinamentos táticos e também o vestiário. Além de fazer o trabalho de capacitação dos professores, a equipe também realizará manutenções na estrutura. Conforme Diogo, isso é benéfico para as duas instituições. “É bom para as duas partes, pois eles precisam revitalizar a área e manter o local ativo, e nós precisamos de um lugar adequado e seguro para treinar.”

Treino do Brummers Rugby Clube (Foto: Lucas Schardong)

Treino do Brummers Rugby Clube. Foto: Lucas Schardong/Beta Redação

Um novo projeto que está sendo construído pelo Brummers agora tem um foco ainda maior que o próprio clube. O objetivo é criar uma “escolinha de desenvolvimento de rugby” dentro da escola, com o apoio da prefeitura de Novo Hamburgo, que buscará empresas com capacidade e interesse no desenvolvimento dos jovens e do esporte. Conforme Marcelo, o trabalho também é uma forma de fomentar o esporte entre os jovens.

“Queremos criar um centro de treinamento de base no clube, fazendo um trabalho social com os jovens até 14 anos. Queremos fazer com que ele funcione o ano inteiro, fomentando o esporte e tudo o que ele agrega de positivo, como disciplina, lealdade, saúde e respeito”, diz Marcelo.

Conforme o Secretário de Esporte e Lazer de Novo Hamburgo, Jorge Schmidt, a prefeitura não deve ter o papel de ser o garantidor financeiro dos projetos, mas o fomentador e a parte logística em muitos momentos do esporte, e a iniciativa do Brummers é positiva nesse contexto.

“A nossa função, enquanto prefeitura, não é direcionar um trabalho ou outro, mas sim de dar apoio aos projetos que buscam incentivar o esporte e a educação”, considera o secretário.

Jorge também ressalta a importância dos esportes dentro da educação e como a disciplina do rugby facilita esse trabalho.

“A cidade de Novo Hamburgo é essencialmente desportiva. Todos os esportes que colocamos aqui, conseguimos ter um resultado. E é importante falar que o esporte é um braço da educação. O Brummers tem uma coisa muito legal que é a disciplina e a doação pelo trabalho em equipe. Isso vai dar exemplo para as crianças e jovens. Com isso, mais escolas vão se interessar.”

Esporte movido pela paixão

Com a pouca visibilidade que o esporte oferece, a maioria dos clubes de rugby luta para manter suas finanças estáveis. No caso do Brummers não é diferente. Os técnicos não recebem para desempenhar os seus trabalhos dentro do clube e não fazem questão de que isso aconteça. Diogo revela que essa paixão pelo esporte cria e aciona o espírito voluntário dos jogadores.

“O rugby é um esporte que depende e se destaca pelo voluntariado. E ele depende muito disso, seja para a manutenção do campo, do vestiário, da casa onde trabalhamos. Todo o pessoal do clube faz isso de forma voluntária.”

Ele também afirma que a disciplina imposta pelo rugby e o voluntariado colaboram na formação de caráter dos mais jovens.

“Como é um esporte de contato, tu também tem que fazer um trabalho de formação de caráter. A parte do voluntariado colabora com isso. Tu traz pra eles que tem que ser agressivo dentro do jogo, para que tenham atitude, mas que não tenham violência. Precisam se controlar no jogo e na vida pessoal também.”

Diogo revisando a parte tática antes de iniciar o treino (Foto: Lucas Schardong)

Técnico Diogo revisando a parte tática antes de iniciar o treino. Foto: Lucas Schardong/Beta Redação

De acordo com Diogo, isso se reflete positivamente no trabalho desenvolvido para as categorias de base e muitos frutos são colhidos através dessas parcerias.

“A categoria de base do Brummers sempre se destacou. Desde sempre a base da Seleção Gaúcha é a categoria de base do Brummers. É um trabalho que está sendo bem desenvolvido e é corriqueiro que os nossos jovens sejam convocados para as seleções.”

Esse destaque também serve como motivador para os mais jovens se espelharem e, acreditando no seu potencial, buscarem no rugby um meio de vida. Foi o que aconteceu com jogador Wagner Farezin, que se identificou com o esporte desde cedo e, em 2015, conseguiu a tão sonhada convocação. Hoje jogador do Brummers e da Seleção Brasileira de rugby, Wagner afirma que o esporte ajudou na formação do seu caráter.

“O rugby me moldou, me ensinou princípios e, acima de tudo, me educou. Se alguém disser que o rugby não muda as pessoas pra melhor, está mentindo.”

Perguntado sobre o seu futuro no rugby, Wagner é enfático: “Não me imagino fazendo outra coisa. Caso eu não seja mais jogador, quero continuar envolvido no rugby. Minha expectativa para o futuro é fazer parte da Seleção Brasileira principal, participar de grandes campeonatos, fazer o meu nome como jogador e acima de tudo me divertir”.

Lida 1173 vezes

Comentários

Um comentário sobre “Parceria entre clube de rugby e escolas municipais ajuda a difundir o esporte em Novo Hamburgo”

  1. jonathan disse:

    wow cara isso vai ser mto bom p as escolas realmente uma inovação !!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.