Economia

O mercado encantado do League of Legends

Como o jogo online movimenta a economia de seus seguidores

A plataforma dos jogos virtuais tem muitos adeptos. Uma grande quantidade de público que divide técnicas, faz amigos, cria cosplay e investe financeiramente. No universo do League of Legends, também conhecido como LOL os campeonatos ganharam o mundo real com eventos e premiações que chamam a atenção de espectadores e gamers de diversos países.

O jogo, que é gratuito, tem as opções de compra para quem deseja investir em melhores “skins”, que são as roupas dos personagens e efeitos de animação. A player Maria Eduarda Pires (17), estudante de Direito, se sentiu atraída pela diversidade dos personagens, quando começou a jogar aos 13 anos. Seu investimento, gira em torno de 500 reais, em quatro anos. O maior elo conquistado por ela, que seria o equivalente a uma pontuação alta no LOL, foi Platina1.

São muitos os fatores que determinam o sucesso de uma batalha, campo de combate, feitiços lançados, força do oponente, a rota, campeão escolhido, que podem ser selecionados em dois modos de jogo: Clássico e Dominion (saiba mais, no link abaixo). Depois de indicado o modo de luta, ocorrem os campeonatos. Estes podem ser pequenos e feitos por qualquer jogador, geralmente o que se ganha é IP, moeda paga do jogo; Ou de grande porte e oficializado pela Riot, empresa criadora do LOL, com premiações que podem chegar até valores astronômicos, como US$ 2,13 milhões no mundial.

O principal evento no Brasil é o CBLOL, em que times se enfrentam para tentar uma vaga no mundial. Figurando como um dos melhores jogadores do país, Martin Kothe de 24 anos, foi campeão do circuito em 2013. Com uma carreira que pode ser considerada curta, o jovem de Porto Alegre, conhecido como “Espeon” carrega em seu currículo de jogador, quatro anos de história por nove equipes de peso como KaBum, Nex Impetus e Pain Gaming, pela qual foi
campeão. A equipe teve um faturamento de US$ 30 mil na vitória daquele ano.

O maior investimento de Espeon foi o tempo, treinando individualmente e assistindo aos jogos em equipe para discussões com os outros jogadores. “Creio que o LOL esteja cada vez mais tendo reconhecimento no Brasil, porém CS:Go (Counter-Strike: Global Offensive, jogo de tiro online) ainda tem mais respeito por termos uma equipe nacional com mais destaque lá fora”, assegura. Foram em torno de 50 campeonatos que ele já participou, viajando duas vezes para a Alemanha, uma vez em Hannover e outra em Cologne. Além, de diversos Estados do Brasil.

Os eventos são aguardados por jogadores que acompanham pela TV ou presencialmente. Rangel Dalpiaz, 20 anos, começou a jogar por influência dos amigos que se reuniam aos finais de semana. Desde os 16 anos nas competições online, conheceu o CBLOL no ano de 2015, em Florianópolis. “Acompanho o CBLOL desde 2014, é o principal campeonato nacional profissional e contribui muito para jogadores casuais que querem aprender mais sobre o jogo e evoluir como jogador”, conta ele.

Pesquisando na internet sobre o assunto, o gamer Rangel se esforça para superar os próprios recordes, o maior elo atingido por ele foi GOLD1. Seu investimento no jogo chegou em R$ 266,00 e seu ritmo de batalhas só cresce.

O DJ e também jogador Robson Müller, 23 anos, busca se aperfeiçoar. Se interessando por tudo relacionado ao jogo, ele conheceu o CBLOL. “Sempre achei as competições oficiais de vídeo games incríveis, ver o que eu amo desde novo tomando proporções que a gente nunca imaginou, por exemplo, campeonato passando na TV, substituindo jogos de futebol. É incrível e gratificante ver como o CBLOL contribuiu para o crescimento do jogo no país e na acessibilidade para que todo mundo entenda que não é só um jogo”, lembra.

Dentro do universo do League of Legends, existem ainda os cosplayers, que participam de eventos dando vida aos personagens do jogo. Os campeonatos principais acontecem em sua maioria no eixo Rio de Janeiro – São Paulo. Maria Eduarda, que além de jogadora também já fez cosplay, diz que já viajou para participar por conta de produtores. Ela conta que seu personagem de maior sucesso foi da Katarina Gatinha, mas que já viveu outros como: Caitlyn Policial, Riven Coelhinha, Miss Fortune Mafiosa. Os valores gastos são relativos ao quão idêntico se deseja ficar ao personagem.

 

Maria Eduarda Pires faz cosplay da personagem Katarina Gatinha. Foto: Vanessa Dalpiaz

Maria Eduarda Pires faz cosplay da personagem Katarina Gatinha. Foto: Vanessa Dalpiaz

 

O esporte eletrônico vem se destacando e os eventos crescendo, devido à interação entre os participantes. Se antes pouco se ouvia falar nos jogos online como modo operante para a “vida real”, hoje já se conhece tanto que o League of Legends ganhou até espaço de transmissão na SporTV, contribuindo para a popularização do game.

Para conhecer mais sobre esse universo, segue o link oficial:http://gameinfo.br.leagueoflegends.com/pt/game-info/

COMO FUNCIONA A PREMIAÇÃO

Circuito desafiante é o campeonato onde os times novatos entram para tentar uma vaga no CBLOL, que é o principal no país, em que dá acesso aos embates latinos e mundiais.

O Circuito Desafiante, a distribuição da premiação é a seguinte:

1º – R$ 12.000
2º – R$ 9.000
3º – R$ 6.500
4º – R$ 5.500

5º/6º – R$ 3.500

Distribuição das premiações do CBLOL, sendo nas 2 fases os mesmos valores:

1º lugar – R$ 70.000

2º – R$ 40.000

3°/4° – R$ 25.000

5º – R$ 15.000

6º – R$ 10.000

7°/8° – R$ 7.500

A primeira fase vale vaga para o campeonato MSI, segundo maior evento do mundo. A segunda fase vale vaga para o campeonato Mundial.

Distribuição da premiação mundial

1º – US$ 1.000.000
2º – US$ 250.000
3º/4º – US$ 150.000
5º/8º – US$ 75.000
9º/12º – US$ 45.000
13º/16º – US$ 25.000

*Os valores seguem os divulgados do ano passado, com perspectiva desse ano

Veja abaixo a narração do Galvão Bueno que viralizou no youtube

Lida 1569 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.