Economia

O mercado de exportação da soja no Brasil

Rio Grande do Sul é o terceiro estado com maior índice de exportação no país

A soja é uma das culturas do agronegócio mais fortes do Brasil. Ela chegou ao país no século XIX através dos Estados Unidos, mas começou a tomar grandes proporções econômicas nos anos 70, tendo seu início de produção na Bahia. Com uma grande massa de imigração japonesa, as técnicas de plantação, colheita e venda começaram a se expandir também por outros estados.

De acordo com dados divulgados no Sistema de Análise das Informações de Comércio Exterior (AliceWeb), somente no primeiro trimestre de 2017, o Brasil já exportou quase 17 milhões de toneladas, o que representa um aumento de 28,5% em relação mesmo período no ano passado e uma elevação de 73,7% em relação à 2015. Esses altos valores também refletem na economia do país, que arrecadou até março deste ano 6 bilhões e 728 milhões de dólares “Free on Board”.

Conforme os Termos Internacionais de Comércio (Incoterms), estabelecidos pela International Chamber of Commerce (ICC), o termo “Free on Board” estabelece que o comprador deverá assumir as responsabilidades pelo transporte e pela segurança do grão até o porto de destino a partir do momento que a mercadoria estiver embarcada. Com isso, o vendedor arca com os custos do transporte, eventuais perdas ou danos e taxas portuárias e frete apenas até o momento do embarque.Hoje, o Brasil é o segundo maior exportador de soja no planeta, tendo vendido cerca de 67 milhões de toneladas em 2016, perdendo apenas para o seu precursor, os Estados Unidos, com cerca 130 milhões de toneladas no mesmo ano.

Mas, conforme pesquisa divulgada pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o mercado brasileiro continua em crescimento e até o ano de 2025 deve ultrapassar os EUA como o líder do mercado global. A projeção é de que o país assuma 40% das exportações de todo o planeta, chegando a marca de 135 milhões de toneladas de soja.

No Brasil, exportações do agronegócio são constituídas principalmente de produtos do complexo soja (grão, farelo e óleo), tendo como o consumidor principal o mercado chinês, algo que acontece desde 2013. A diferença é extremamente significativa em comparação com os outros países que compram a mercadoria do nosso país. A China consumiu, em 2017, quase 11 milhões de toneladas de soja brasileira, enquanto o segundo maior comprador, a Holanda, adquiriu 890 mil toneladas.

Essas quantidades também revelam um grande impacto econômico no país, já que refletem em uma quantia de 4,3 bilhões de dólares FOB vindos da China e 369 milhões de dólares FOB referentes ao arrecadado pelas vendas para a Holanda. Os outros três países que mais consomem soja do Brasil, Tailândia, Espanha e Coreia do Sul, injetaram juntos, 658 milhões de dólares FOB na economia brasileira, somente neste primeiro trimestre. Isso significa um acréscimo de 17% em relação aos 562 milhões de dólares FOB que os três países gastaram com o Brasil, no mesmo período do ano passado.

Segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), instituição que monitora diariamente o preço da soja exportada pelo Brasil, cada saco de 60 kg do grão custou, em média, 21,73 dólares ou 68,4 reais, no primeiro trimestre de 2017. O preço único do saco de soja vem decaindo desde junho de 2016, quando chegou a ser vendido por 26,49 dólares. No final de março deste ano, o preço terminou em 20,77 dólares. Mesmo com essa queda gradativa, o dinheiro arrecadado com a venda do produto é enorme. Somente com o produto exportado para a China, o Brasil conseguiu arrecadar cerca de 14 bilhões de dólares durante todo o ano de 2016.

Este impacto também pode ser visto, mais especificamente, nos estados do Brasil. Os três maiores produtores e exportadores de soja são, respectivamente, o Mato Grosso, Paraná e Rio Grande do Sul. Logo abaixo deles estão Goiás e Mato Grosso do Sul. Juntos, durante o ano de 2016, os estados arrecadaram 11 bilhões e 481 milhões de dólares FOB, o que equivale a 78% do total arrecadado pelo Brasil durante todo este período.

infografico_destino_da_soja_br

Sozinho, o Rio Grande do Sul exportou 8,34 milhões de toneladas durante o ano de 2016. Dentro destes valores, o Rio Grande do Sul também tem o seu grau de importância, já que representa 9,7% do total arrecadado pelo país no primeiro trimestre de 2017. É possível perceber um crescimento da safra de soja gaúcha, já que no mesmo período, em 2016, ele havia exportado 313 mil toneladas e neste ano, já foram vendidas 1 milhão de toneladas.

A importância da soja na economia gaúcha se torna perceptível através de dados divulgados pela Fundação de Economia e Estatística (FEE). Durante o ano de 2016, o Rio Grande do Sul somou 4 bilhões de dólares, um montante que representa 44,14% do total obtido pelo estado através de exportações do agronegócio. Se compararmos o primeiro trimestre de 2017, com o ano passado, o Rio Grande do Sul teve uma variação percentual de 2,18% em relação ao seu lucro. Em 2016, foi negociado 297 milhões de dólares, 17,56%  do total do agronegócio e as vendas em 2017 chegaram a 304 milhões de dólares, representando 26,23%.

Municípios brasileiros se destacam na venda de soja para o exterior

Considerando os municípios que têm maior destaque na venda de soja para o exterior, a pequena cidade de Sorriso, no Mato Grosso, com pouco mais de 80 mil habitantes, é a capital do agronegócio brasileiro e a maior exportadora de soja do país. Em 2016, a cidade sozinha produziu 3.2 milhões de toneladas de grãos de soja, representando sozinha 33% da arrecadação total do Mato Grosso. Financeiramente, isso repercutiu em 830 milhões de dólares FOB para o município, que fica localizado a 412 km da capital Cuiabá.

No Rio Grande do Sul, o município que tem maior destaque na exportação é Rio Grande. A cidade, que possui 208 mil habitantes, é a décima mais populosa do estado. Rio Grande já exportou, em 2017, 590 milhões de toneladas de complexo de soja, sendo isso, 133 milhões de toneladas a mais que o segundo maior exportador dos gaúchos, Porto Alegre. A capital arrecadou, neste ano 178 milhões de dólares FOB e totalizou 1,4 milhões de dólares no ano passado. Depois de Rio Grande e Porto Alegre, as cidades que mais exportam no estado gaúcho são, respectivamente, Passo Fundo, Cruz Alta e Canoas, que, no início deste ano, juntas, arrecadaram 91 milhões de dólares FOB.

Com relação à arrecadação, o município campeão, Rio Grande, teve um lucro de 1,7 milhões de dólares FOB em todo o ano de 2016 e em 2017 já recebeu 235 milhões de dólares apenas no primeiro trimestre, representando 56% de toda arrecadação do Rio Grande do Sul, entre janeiro e março deste ano. Sua exportação também se torna um expoente quando comparada com a do Estado todo. Em 2016, Rio Grande exportou 4,4 milhões de toneladas de soja, representando 53,5% dos 8,4 milhões do produto gaúcho.

Lida 2852 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.