Esporte

Não basta correr, é necessário se preparar

O preparo físico e o cuidado com a saúde são necessidades para aqueles que pretendem ter a corrida como prática esportiva

david-schap-100823

Preparo físico é essencial para os corredores iniciantes. Foto: Unplash/Divulgação

Atualmente, a corrida é uma prática que ganha força com o crescimento do mercado fitness e a busca por qualidade de vida, rotinas saudáveis e bem-estar. O número de atletas amadores vem crescendo constantemente, mas é importante que eles estejam bem informados sobre o preparo prévio que essa prática exige.

Muitos pensam que correr se trata de colocar um tênis e simplesmente correr, mas não se dão conta de que, na intenção de melhorar a saúde, podem prejudicá-la quando abdicam de uma preparação adequada. Além do uso de roupas propícias para que o impacto da prática seja positivo, exames para garantir um bom condicionamento e estipular a frequência com que você irá praticar o esporte – de acordo com o que o seu corpo suporta – são necessários.

A quiropraxista Raquel Körbes, que mora em São Paulo, alerta sobre a importância de ter acompanhamento de pessoas que tenham conhecimento do que estão fazendo. A convite de uma amiga, participou da sua primeira corrida de revezamento, na qual cada atleta corria 6 km. Na ocasião, sua equipe percorreu um total de 75km. “Eu nunca tinha corrido e, como essa amiga era professora de educação física, começamos a correr juntas. Comecei a ver que aquilo era bom e que eu não dependia de outras pessoas para treinar”, conta.

Raquel, aos poucos, começou a participar de um grupo de corrida que a amiga coordenava em uma academia de São Paulo. Sem muito compromisso, aos poucos se tornou uma atleta.

A corrida, além de um esporte físico, também cria vínculos sociais. É um exercício que pode ser individual ou contar com mais pessoas que o praticam juntas, como é o caso das maratonas de revezamento. “Eu não conseguia tomar água durante as corridas, nem ingerir gel de carboidrato, e por isso falo da importância de se ter um acompanhamento. Fui aprendendo aos poucos e recebendo um incentivo gradual. Eu já queria fazer meia maratona logo, mas fui aconselhada por um professor a esperar. Ele disse que pelo meu físico eu chegaria ao fim da prova, mas certamente chegaria machucada, e esse não era o objetivo.”

Este ano, Raquel realizou a sua primeira maratona, conquista que foi fruto de paciência e preparo adequado. Agora, a atleta utiliza uma planilha para regular os treinos e objetivos. “Não gosto de ficar dentro de uma sala fechada fazendo algum exercício, não gosto de musculação, mas, como sei da importância de se preparar adequadamente, faço por prevenção. Em função do esporte que eu gosto, preciso ter um bom preparo da minha musculatura”, complementa a esportista.

No meio do ano passado, Raquel resolveu intensificar a corrida e começou a se sentir fraca. “Senti a necessidade de começar um acompanhamento nutricional também. Mais uma dica para quem quer começar a correr ou intensificar os objetivos, faz muita diferença. Muitas vezes a gente acha que está comendo muito certo, como acontecia comigo, e ao contrário: só estamos ganhando carboidratos de absorção, o que perdemos muito rápido, e não estamos nos preocupando com o ganho de massa muscular, o que é muito importante para corrida e resistência”, finaliza.

Assim como Raquel, o jornalista Diego Capela também vive a corrida rotineiramente. Em 2014, ele fundou o Pra Correr, projeto que conta hoje com quase 120 mil curtidas em sua página no Facebook. Com o objetivo de informar pessoas que estão começando no esporte, Diego notou que muitos corredores iniciantes tinham diversas dúvidas, desde informações mais fundamentais até questões relacionadas a performance, treinamento e nutrição e precisavam de algum lugar para estudar mais sobre o esporte.

“Uma das nossas maiores bandeiras é a corrida sob orientação profissional e a realização de exames médicos regulares. Prezamos pela corrida segura, principalmente porque grande parte do nosso público é formado por corredores iniciantes”, conta.

Em dois anos e sete meses, o projeto se tornou multiplataforma, atingindo semanalmente cerca de 1 milhão de pessoas no Brasil e no mundo. “Temos quase 120 mil curtidas no Facebook e mais de 41 mil no Instagram, além de canal de vídeo no YouTube e site. Atualmente, o projeto é coordenado por mim e pelo meu sócio, Rafael Maioral, administrador com mestrado em Marketing Esportivo”, completa.

Lida 616 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.