Esporte

Luís Carlos Winck: “Meu sonho é treinar o Internacional”

Treinador vê trabalho à frente do Caxias como projeção para comandar clube da elite do futebol brasileiro

Luís Carlos Winck

Winck assumiu o Caxias em setembro e já sagrou-se campeão. (Foto: Divulgação/S.E.R Caxias do Sul)

 

O Internacional passa por uma crise, ameaçado pela sombra do rebaixamento e com uma imensa pressão sobre o trabalho de Celso Roth, o terceiro técnico do time em 2016. Sob essa perspectiva da direção, que recorrentemente aposta em ídolos do clube para resolver os problemas, um nome conhecido dos colorados pode surgir como opção para 2017. Luís Carlos Winck, hoje à frente do Caxias, com quem acabou de sagrar-se campeão da Copa Larry Pinto de Faria em cima do Ipiranga de Erechim, sonha em voltar ao clube que defendeu de 1981 a 1989 e também em 1991.

“Gostaria muito de treinar o internacional. Joguei 10 anos no clube, tenho uma vida, uma história dentro Inter. Seria muito importante para minha carreira”, conta.

Como lateral direito, Winck atuou também por clubes como Vasco, Grêmio e São Paulo, mas conta ver no Inter algo especial. “Acho que tenho uma afinidade maior, por ter começado nas categorias de base, por ter sido considerado duas vezes o melhor da minha posição no país e ter chegado até a Seleção pelo Inter”, enumera.

Em 2000, o atual técnico da Seleção Brasileira, Tite, estava à frente do Caxias quando realizou uma campanha surpreendente no Campeonato Gaúcho de 2000, levando o clube a ser campeão sobre o Grêmio, que contava com Ronaldinho Gaúcho. Winck espera seguir uma escalada semelhante como treinador do clube grená. “Eu acho que o Caxias está muito próximo da ‘grande equipe’, de Série A do Brasileiro. Tem uma estrutura muito semelhante. Espero que essa oportunidade que estou tendo me leve a um clube de Série A. Sei que não vai ser simples, teremos adversidades, mas estaremos preparados para isso.”

Em seu currículo, Winck carrega clubes que disputaram a Série B, como o Mogi Mirim e o São Raimundo. Ele vê uma boa oportunidade de trabalho no time da Serra, que acabou de retornar à primeira divisão do futebol gaúcho. “Estamos formulando o grupo nesse momento, e esperamos formar uma equipe competitiva para atingir os objetivos traçados pelo Caxias para 2017“, projeta.

Dentre essas metas está uma vaga para a Série C do Campeonato Brasileiro, objetivo que parou nas oitavas de final em 2016. Winck acredita que a nova gestão, formada por um grupo de empresários, está no caminho certo para ajudar o Caxias a atingir um novo patamar. “A direção organizou o clube, estão pagando uma dívida antiga, reformando e reestruturando o estádio. Agora precisa ter bons resultados dentro de campo, porque as duas coisas andam juntas”, avalia.

 

Herança alvirrubra vitoriosa

A bagagem de treinadores que passaram pelo Internacional influenciaram a forma como Winck pensa o futebol. O ex-lateral direito mantém o estilo tranquilo que tinha dentro de campo na área técnica, herança que traz de Ênio Andrade, treinador campeão brasileiro com o Internacional em 1979. “A liderança não é imposta na marra, aos gritos. Sempre tive uma uma liderança positiva nos clubes que passei e nunca precisei disso”, explica.

Ao longo da carreira, também fez estágios com Abel Braga e Celso Roth, técnicos que venceram a Libertadores com o clube colorado. “Os dois têm estilos diferentes. O Abel é mais paizão, enquanto o Roth é mais cobrador, tem uma linha de conduta mais rígida e disciplinada. Foram experiências proveitosas para mim”, avalia.

Winck não baseia seu estilo tático em um único clube, procurando sempre absorver o máximo que pode das referências modernas do futebol. “Eu vou estudando, buscando informações e moldando dentro das características que tenho no meu grupo”, afirma. Prova disso é que ele mudou muito a forma com que escala os times durante sua carreira de 18 anos como treinador. “Foram se modernizando os sistemas. Eu jogo hoje em um 4-1-4-1, que no fundo é um 4-3-3. Mas já joguei também no 4-2-3-1. São duas formações que gosto”, conta o treinador.

Lida 1568 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.