Cultura

Kerb de Pinhal Alto preserva legado e tradições alemãs

11ª edição do Kerb im Tannenwald ocorre nos dias 17 e 18 de setembro

unnamed

Foto: Rafael Cavalli

Considerados meses de muita festa e chopp, setembro e outubro são caracterizados por típicas festas alemãs. E para começar bem o mês de setembro, nada melhor do que já ter data marcada para uma das festas de Kerb mais tradicionais da região serrana. Na cidade de Nova Petrópolis, a localidade de Pinhal Alto estará festejando o 11º Kerb im Tannenwald entre os dias 17 e 18 de setembro. Muitos ouvem falar “Kerb”, mas na verdade não sabem o real sentido da festividade.

Então, afinal o que é o Kerb? O que esta festa representa para comunidade de Pinhal Alto?

Legado e tradição

O Kerb é uma grande comemoração que nos foi legada pelos antepassados alemães, e ficou marcada para os católicos como a homenagem ao santo padroeiro da igreja local, e para os evangélicos e luteranos como a fundação da casa religiosa. A palavra Kerb tem como sinônimo a palavra Kirmes, que em termo bem simples quer dizer “Quermesse Alemã”, ou seja, uma festa da Igreja.

Na localidade de Pinhal Alto (Tannenwald) esta festa é comemorada desde o dia 28 de agosto de 1904, quando a comunidade católica foi elevada à capela autônoma, recebendo como padroeira o Imaculado Coração de Maria.  Devido à grande quantidade de atividades e festejos da região no mês de agosto, a comunidade optou por realizar a festa sempre no terceiro final de semana de setembro.

Dona Célia Maria Schmitt, de 72 anos, é descendente de alemães e relata que, há cerca de cinquenta anos atrás, o Kerb era considerada a festa mais esperada por todos na comunidade. A comemoração durava três dias, iniciando no domingo e se encerrando na terça-feira à noite. “Os preparativos em casa já começavam uma terça-feira antes do Kerb. Eu minhas irmãs tínhamos que limpar toda a casa, lustrávamos todo o piso, arrumávamos todos os armários, lixávamos todas as panelas. Tinha que estar tudo um brilho, para que os parentes que viessem achassem tudo muito bonito”, ressalta Célia, dizendo que a igreja e o salão comunitário eram limpos da mesma forma.

No primeiro dia de festa, logo pela manhã, havia duas celebrações na igreja, uma bem cedo para quem preparava o almoço em casa e uma mais tarde para os convidados das famílias. “As celebrações eram bem diferentes de hoje. A igreja estava sempre bem lotada, havia um grande coral e o padre celebrava toda a missa em latim. Após a santa missa, a bandinha alemã conduzia o povo para a sociedade, onde normalmente as pessoas se concentravam para escutar uma boa música e conversar”, relembra a senhora.

Na parte da tarde, todos os familiares se juntavam para participar de um típico almoço alemão, saboreando um schweinebraten (porco assado) com chucrute (conserva de repolho fermentado), massa, cuca e o spritzbier (considerado um refrigerante caseiro). Tudo sempre feito à mão e com gostinho da experiência dos antepassados alemães. Todos os parentes permaneciam na casa do anfitrião até a noite, quando se iniciava o típico baile de Kerb. A entrada era gratuita para o baile, mas o rapaz que quisesse dançar na pista precisava pagar um determinado valor para poder conseguir uma oportunidade. O rapaz que pagava para dançar ganhava uma fita para colocar no seu chapéu ou paletó. Eram considerados ricos aqueles rapazes que no último dia de festa tivessem as três fitas, referentes aos três bailes de Kerb.

No segundo e no terceiro dia não haviam celebrações religiosas, apenas os almoços típicos em família. À noite, ocorria o grande baile de Kerb. Na quarta-feira após as festividades, todos os parentes se despediam de seus familiares e de costume levavam cucas para casa para ter o que comer quando chegassem ao seu lar. Isso ocorria em função da grande distância de uma família para outra, e do trajeto a ser percorrido a pé – ou na melhor das hipóteses, a cavalo. “Foi uma época muito difícil, mas uma época muito boa. Sinto muitas saudades, mas acredito que a festividade aqui no Pinhal Alto continua recheada de fé e de muita união familiar”, ressalta a descendente alemã.

Kerb im Tannenewald

Paulo Roberto Staudt, um dos organizadores voluntários do evento, explica que a localidade de Pinhal Alto sempre foi referência na preservação das tradições e culturas dos antepassados, mas que ao passar dos anos a festividade ficou muito restrita à celebração da santa missa e à confraternização em família. Em virtude disso, em 2006 o atual coordenador do evento, Claudio José Weber, juntamente com alguns voluntários, foi em busca de anseios da comunidade e resolveu reestruturar a festa com atividades típicas da Alemanha. “Foi uma forma de integrar as pequenas localidades e manter viva essa tradição cultural deixada por nossos antepassados”, relata o voluntário.

Além dos festejos que foram mantidos desde 1904, agregaram-se ao evento os jogos germânicos, a carreata com o “Bierwagen” (carro do chopp) e a escolha das soberanas do Kerb. Os jogos foram incorporados ao evento para trazer divertimento e integração entre as nove equipes das sete pequenas localidades que formam o “Grande Pinhal”. São elas: Main Lait (Minha Gente), Die Harmonia (Os Harmonienses), Die Windhofa (Os da Encosta do Vento), Die Feliza (Os Felizes), Die Jakobstäler (Moradores do Vale da São Jacó), Ima Truf (Sempre em Cima/Na Luta), Wo sin mea rom? (Onde nós estamos?), Bai Dings (Junto às Coisas/Sempre Unidos) e Die Traizen Kolonie (Moradores das Treze Colônias).

Paulo conta que os jogos germânicos são oriundos do sul da Alemanha, e muitos deles remetem a trabalhos realizados pelos antepassados. Dentre os jogos mais tradicionais estão: serrar o tronco, debulhar o milho, pregar o prego, pau de sebo, arremesso de chopp, boliche de chucrute, entre outros. “Todos os anos as três melhores equipes ganham medalhas e todas as equipes ganham um prêmio para confraternizar com seu grupo. Mas mais do que os prêmios é um grande momento de integração das equipes e da comunidade”, ressalta Staudt.

Jogos Germanicos

Prova do pau de sebo. Foto: Rafael Cavalli

A carreata do Bierwagen, que também tem origem no sul da Alemanha, tem o objetivo de levar a tradição pela principal rua da comunidade. O chopp é distribuído pelos voluntários de porta em porta ao som da bandinha típica alemã. É um momento de alegria e de integração: equipes e autoridades da cidade participam e as pessoas podem admirar a beleza a simpatia das soberanas.

A escolha das soberanas só se iniciou no ano de 2010 e foi bem aceita pela comunidade, segundo Paulo. “Elas são nossa representatividade fora da comunidade. São elas que vão divulgar o evento em toda a região, ressaltando para o público em geral vir participar do nosso evento”, esclarece o voluntário. A atual realeza é formada por Isabel Maldaner como Rainha, representando a equipe Bai Dings. A 1ª Princesa é a senhorita Danieli Laís Lehmen, da Equipe Die Traizen Colonie, e a 2ª Princesa é Karin Nandaine Schabarum, da Equipe Die Harmonia.

Corte do Kerb

Atual corte do 11º Kerb im Tannenwald. Foto: Rafael Cavalli

A cada ano sempre há alguma novidade dentro do evento, seja na gastronomia, nas bandas ou nos jogos. É um grande convite para quem quer conhecer mais da história dos antepassados alemães, dar muitas risadas, dançar e tomar muito chopp ao som da música alemã.

Programação:

17 de setembro (sábado)

9h30min – Abertura oficial

10h – Disputas dos jogos germânicos entre as comunidades do grande Pinhal Alto

12h – Almoço de confraternização no Pavilhão Comunitário. Cartões antecipados por R$18,00, e R$ 22,00 no dia.

14h às 17h – Disputa dos jogos germânicos

19h – Missa Solene seguida de procissão com a Padroeira até o Centro Social e Cultura

20h30min – Jantar típico de Kerb e baile com animação da Super Banda Real. Durante o baile, haverá apresentação de danças alemãs. Cartões antecipados por R$ 35,00. Na noite, R$ 40,00.

2h – Previsão para o término do baile.

18 de setembro (domingo)

15h – Início da grande carreata com Bierwagen pela Rua Vicente Prieto, saindo da Igreja Evangélica com a participação de toda a comunidade e animação da Bandinha Tannenwald.

17h – Previsão da chegada da carreata e início da domingueira com animação da banda Exemplo e Banda Champion.

22h – Previsão de encerramento.

*A entrada é gratuita e durante todo o evento haverá comercialização de artesanato, produtos típicos, gastronomia típica e chopp.

Como chegar:

Mapa do Pinhal

Lida 902 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.