Esporte

Jogos de realidade aumentada conciliam diversão e exercícios físicos

Games como o Pokémon GO incentivam jogadores a caminhar e correr

Laís Albuquerque e Pedro Nunes

Uma das mais recentes febres mundiais, o jogo Pokémon GO já cativou mais de 30 milhões de pessoas. Além de misturar realidade com ficção e mexer com a nostalgia daqueles que eram crianças nos anos 1990, o game tem outro diferencial: graças a ele, muitas pessoas estão fazendo exercícios físicos. É só mais um exemplo dos casos de sucesso dos games que utilizam a realidade aumentada para interagir com o jogador.

Esse fenômeno ocorre porque, para jogar, o usuário precisa se mexer: andar, dançar, correr etc. O Pokémon GO, por exemplo, funciona da seguinte maneira: os chamados Pokémons estão espalhados por diversas partes da cidade. Para capturá-los, o jogador precisa ir até eles. O jogo também possui as chamadas Pokéstops, espécies de ”paradas” espalhadas pela cidade, onde os jogadores vão para se abastecer de itens do jogo; os Gyms, onde as batalhas acontecem; e ainda os ovos que, para chocar, necessitam que o gamer ande 2,5 ou 10 km, dependendo do tipo de ovo.

“Pra jogar eu tenho que sair. Isso já me impulsiona a correr, porque eu sempre tive aquele pensamento guardado na cabeça de ‘eu tenho que fazer exercícios'”, relata o animador Lucas White, de 25 anos. Ele conta que já tentou várias vezes iniciar um esporte, mas parou no meio do caminho. Para Lucas, o Pokémon foi o jogo de sua infância. “Eu tinha um Gameboy e praticamente só jogava Pokémon”, relembra. O novo game da franquia o animou tanto que ele desenvolveu um apetrecho para poder correr e jogar ao mesmo tempo.

 

Foto: Laís Albuquerque

Lucas usa a ”pokebracer” para correr e jogar. Foto: Laís Albuquerque/Beta Redação

 

Ao comprar uma braçadeira para celular, Lucas teve uma boa ideia: adaptou-a para jogar Pokémon GO. Aumentou a alça e assim conseguiu usá-la no antebraço, o que facilitou para jogar. Ele a apelidou de Pokebracer. “No primeiro dia que eu voltei a correr, me irritava muito ter que tirar o telefone do bolso para jogar. Então desenvolvi a Pokebracer, que é prática e bem mais segura”, explica ele. Lucas fala que não começou a praticar corrida apenas por causa do jogo, mas assegura que foi um grande incentivo. “Eu estava há tempo querendo praticar esportes. Então, não diria que foi graças ao jogo, mas com certeza ele me deu um empurrão inicial”, comenta. “Hoje estou até procurando mudar a alimentação”, revela o animador.

Os motivos pelos quais o jornalista Andriolli Costa, de 27 anos, começou a jogar são semelhantes. “Eu acompanhei o desenho Pokémon desde a primeira temporada. Cheguei a participar de torneios da liga Pokémon de card games. Então, isso fez parte da minha pré-adolescência”, recorda. O Pokémon GO o incentivou a caminhar e até mesmo a andar de bicicleta. Ele e a namorada, Jéssika Moreira, que também é adepta ao jogo, chegaram a alugar um quadriciclo para jogar. Andriolli confessa que nunca foi muito afeito aos exercícios, mas diz que está vendo nesse tipo de game uma forma de se exercitar. “O legal é isso: você faz sem perceber, sem sofrimento. Faz pra se divertir. E no processo você só ganha coisas positivas”, explica.

O professor de educação física Antônio Almeida avalia que a iniciativa do jogo é boa, mas alerta que é preciso ter cuidado: “De uma forma geral, o aplicativo faz, sim, uma pessoa se movimentar para cumprir os objetivos do game. Porém, considerar isso como uma forma de combate ao sedentarismo pode ser um pouco arriscado”. O profissional salienta que é importante que o jogador não fique vidrado no jogo sem olhar ao redor. “A atenção que é dada a aplicativos de celulares e eletrônicos também aumenta os perigos, não somente ao corpo do praticante, mas também na área em que o mesmo irá realizá-lo”, ressalta.

Que tal aliar entretenimento e esporte? Confira outros exemplos de jogos que te estimulam a praticar exercícios:

Ingress
O game foi desenvolvido pela Niantic, mesma empresa que criou o Pokémon GO. A lógica do Ingress é bem semelhante: também é um jogo de realidade aumentada em que o player tem de andar pela cidade para cumprir os objetivos. No jogo há uma competição de facções de hackers. Há disputas como capturas de portais através de mapas. Para baixá-lo, clique aqui.

Zombies, Run!
O principal objetivo desse jogo é correr para fugir de zumbis. Também mistura a realidade com a ficção. Para mais informações, clique aqui.
SpecTrek
Uma espécie de Pokémon GO assustador: o jogador de SpecTrek deve apontar seu celular para procurar fantasmas que assombram alguns locais. Clique aqui para baixar o game.
Just Dance
O jogo ficou famoso em sua versão para Nintendo Wii, mas já existe uma versão para o celular. Nele, o jogador pode dançar músicas famosas e cada movimento certo lhe rende pontos. Para mais informações, clique aqui.
Lida 1312 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.