Geral

Grupos no Facebook mobilizam doações de sangue

O objetivo é aproximar receptores de sangue de possíveis doadores

A porta do Consultório 2 do Banco de Sangue do Hospital de Clínicas de Porto Alegre se abre e uma enfermeira franzina interrompe a conversa animada de um grupo de doadores. Após pedir para que conversassem um pouco mais baixo, ela sorri educadamente e volta para o consultório. A turma, em torno de dez pessoas, vestia a mesma camisa, que dizia ” Vampiros Sangue Bom“. Os doadores daquela tarde fazem parte de uma grande rede de solidariedade, que se reúne através de um grupo no Facebook para trocar pedidos de doadores e combinar doações em grupo. Até a publicação desta matéria a página já contava com mais de 1,7 mil membros, todos de Eldorado do Sul, na Região Metropolitana de Porto Alegre.

De um lado para o outro, com o celular na mão, uma das fundadoras do movimento tirava fotografia e organizava os doadores. Beatriz Dias Vieira participava em Butiá, município de pouco mais de 20 mil habitantes, de um grupo de doadores de sangue. Quando se mudou para Eldorado do Sul, decidiu ampliar a corrente do bem. Após algumas publicações de fotos, ela e o marido receberam um retorno muito positivo das pessoas e decidiram criar um grupo de doadores na cidade. Pensaram então em criar algo que fosse capaz de mobilizar as pessoas a continuarem as doações. Ao longo da caminhada, Beatriz encontrou a ajuda de Vanessa Mottes e Ana Paula Oliveira, que, juntas, formaram a linha de frente dos trabalhos. A ideia é bastante simples: todos os meses reúnem possíveis doadores de Eldorado e região e levam para o hemocentro da Capital ou para os bancos de sangue dos hospitais Clínicas e Conceição. A prefeitura de Eldorado disponibiliza um micro-ônibus para levar os doadores até os hospitais.

 

O grupo "Vampiros do Bem" sai de caravana para as doações de sangue.(Foto: Vanessa Mottes/Arquivo Pessoal)

O grupo “Vampiros do Bem” sai de caravana para as doações de sangue. (Foto: Vanessa Mottes/Arquivo Pessoal)

 

Existe duas formas de entrada de sangue nos bancos: espontâneas (quando o doador não tem um receptor específico para o sangue a ser doado) e aquelas que chegam predestinadas a pacientes internados nos hospitais.  O grupo de Eldorado realiza uma grande doação espontânea por mês desde janeiro deste ano, e procura realizar outras duas predestinadas, tentando atender os pedidos que são feitos através do grupo virtual. “Além das doações de sangue também cadastramos o pessoal nos bancos de medula óssea, o que é muito importante, pois assim aumentamos as chances de salvar a vida de quem precisa de um transplante. Ficamos muito felizes quando realizamos uma doação, a satisfação é muito grande. Saber que juntos somos mais, que pudemos ajudar a salvar vidas, não tem preço”, conclui Beatriz.

 

Da necessidade particular à preocupação coletiva

Quando Samuel Yrugh, 24 anos,  descobriu que sua mãe precisaria de 20 doadores de sangue para realizar uma cirurgia em 2013, logo se deparou de um problema: não encontrou, em nenhum lugar na internet, um local onde pudesse solicitar ajuda. Nascia aí o “Doadores de Sangue – Porto Alegre e Região Metropolitana”, que, seguindo o exemplo do “Vampiros Sangue Bom”, tem o intuito de aproximar possíveis doadores dos pedidos de receptores que precisam de uma doação.  Ao longo dos últimos três anos, Samuel conseguiu reunir mais de 2,4 mil membros que utilizam o espaço para fazer pedidos de doação e tentar encontrar doadores. O que surgiu como uma necessidade particular acabou se tornando um importante aliado de familiares de pacientes e acidentados. “Eu doo desde os 18 anos e sempre gostei de ajudar as pessoas. Como não podia ajudar de outra forma, ajudava com sangue. Na época, eu não consegui juntar os doadores que precisava para ajudar minha mãe com o grupo, mas o importante é ajudar alguém. Este é o espírito do grupo, por isso ele foi criado. Pra divulgar o sangue de quem precisa”, afirma.

 

Ajude a corrente do bem nas doações de sangue

Embora seja um processo extremamente simples, o doador precisa se enquadrar em alguns pré-requisitos: estar em boas condições de saúde, levar documento oficial de identidade com foto, ter idade entre 16 e 69 anos, pesar 50 Kg ou mais, não estar em jejum, não ingerir alimentação gordurosa antes do procedimento, ter dormido pelo menos 6 horas antes da doação e, principalmente, não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores. Os menores de 18 anos deverão apresentar o termo de consentimento, disponibilizado pelo hemocentro, assinado pelos pais ou por responsável legal e, no momento da doação, um dos pais ou responsável legal deverá estar presente no local da doação. As pessoas que desejarem doar sangue não podem ter realizado tatuagem ou acupuntura nos últimos 12 meses, ser gestante, estar gripado ou resfriado, estar exposto à situação de risco para a AIDS ou ter múltiplos parceiros sexuais. Existem alguns impedimentos definitivos para doações, como ter contraído doença de Chagas, malária e hepatite após os 10 anos de idade, ser portador dos vírus HIV (Aids), HCV (hepatite C), HBC (hepatite B), HTLV e usar drogas injetáveis.
Em Porto Alegre, você pode contribuir nos seguintes locais:

  • Banco de Sangue do Hospital de Clínicas, na Rua São Manoel, 543 / 2° Andar – Hospital de Clínicas de Porto Alegre – Rio Branco, mais informações no telefone: (51) 3359-8504.
  • Banco de Sangue da Santa Casa, na Rua Professor Annes Dias, 295 / Entrada pela Avenida Independência, 75 – Complexo Hospitalar Santa Casa – Centro Histórico, telefones: (51) 3214-8585 ou (51) 3214-8025.
  • Banco de Sangue do HPS, no Largo Teodoro Herzl, s/n° / Térreo – Hospital de Pronto Socorro – HPS – Bom Fim, telefones: (51) 3289-7657 e (51) 3289-7656.
  • Consulte também o Hemocentro de Porto Alegre, na Av. Bento Gonçalves, 3722 – Partenon, contato pelo (51) 3336-6755.

 

Lida 878 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.