Economia

Garupa: conheça o aplicativo gaúcho de transporte privado

Empresa iniciou operação em Santa Maria no fim de abril e atua em Caxias do Sul desde terça-feira (09)

CEO da companhia, o empresário João Marcondes Vargas Trindade incentiva o empreendedorismo. Foto: Glauccio Dutra

CEO da companhia, o empresário João Marcondes Vargas Trindade incentiva o empreendedorismo. (Foto: Glauccio Dutra)

Em 2014, o primeiro e até hoje mais famoso aplicativo de transporte privado urbano iniciou operações no Brasil, o californiano Uber. De lá para cá, a popularidade desta modalidade de serviço só cresceu, concedendo espaço a outras empresas concorrentes, como Cabify e WillGo, todas multinacionais. Até os táxis entraram na briga com o EasyTaxi e 99Taxis. Entretanto a ideia tem inspirado cada vez mais empreendedores, inclusive aqui no Rio Grande do Sul. Percebendo que os números eram atraentes, o empresário João Marcondes Vargas Trindade pensou: por que não criar um aplicativo gaúcho com estes moldes? Foi assim que surgiu o Garupa App.

Completando um ano do início do projeto, o Garupa, com sede na Avenida Princesa Isabel, Santana, possui um diferencial: está em operação, por enquanto, apenas na serra. Santa Maria foi o primeiro município a receber 300 “garupers” no fim do mês de abril, após meses de reuniões e tratativas. Caxias do Sul é a mais nova cidade a adotar o modelo, tendo iniciado as operações na última terça-feira. E a lista de interessados em trabalhar para a empresa é grande: cerca de 1500 motoristas, a maioria deles concentrados na Grande Porto Alegre – apesar de que também há pessoas de Santa Catarina, Paraná e São Paulo na fila.

Made in Porto Alegre

O escritório do Garupa App no bairro Santana, Porto Alegre. Foto: Marco Prass

O escritório do Garupa App no bairro Santana, Porto Alegre. Foto: Marco Prass

Pensado por João Marcondes Vargas Trindade, CEO da companhia, o Garupa reflete seu perfil empreendedor. “O que falta às pessoas é um pouco de ímpeto, coragem. Tu tem que desbravar, não ficar só pensando”, afirma o empresário. O insight surgiu quando Marcondes acompanhou uma reunião na Câmara Municipal de Porto Alegre a respeito da regulamentação dos aplicativos de transporte privado. “Conversando, descobri que em seis meses de operação a Uber possuía cerca de três ou quatro mil carros. É um número expressivo. Peguei essa informação, sentei em frente ao computador e fiz um estudo detalhado”, conta. O Cabify iniciaria suas operações em Porto Alegre na época, o que instigou o empresário. “Por que não abrir uma empresa? Por que não fazer? Aí, veio a coragem”, explica.  

Todos os entraves psicológicos e burocráticos por trás da criação de um negócio – o que no Brasil pode representar uma espera de 107 dias de acordo com dados do Banco Mundial – intimidam muitas pessoas, algo que, segundo Marcondes, deve acabar. “Todo ser humano é capaz, o que falta é tirar essa coisa de que só quem pode trabalhar com aço é a Gerdau. O Marcondes pode, o João pode”, exclama. A partir do impulso de criar a empresa, o Garupa foi surgindo aos poucos com a escolha da equipe, da empresa que desenvolveria o aplicativo e do planejamento estratégico. “Até o nome iniciou aqui nesta sala. Eu trouxe meus primos de Alegrete pra fazer um bate papo sobre a minha ideia e contei que faltava o nome. Meu primo disse: garupa, vai de garupa!”, recorda.

Sem comparações, por favor

“Busco muito descaracterizar o Garupa do Uber. A comparação é inevitável, mas o Uber é uma empresa, o Garupa é outra”, argumenta Marcondes. De fato, as empresas possuem características muito próprias, apesar de semelhantes em suas funções. Enquanto a Uber atua principalmente em capitais e regiões metropolitanas, o Garupa App tem como base cidades em que o acesso a essas tecnologias é mais restrito – apesar de que os dois aplicativos competem atualmente em Caxias do Sul. Estrategicamente, o intuito é captar primeiramente clientes jovens, tendo em vista que Santa Maria e Caxias do Sul possuem pólos universitários. “Essas duas cidades nos instigaram e nos ofereceram a estrutura ideal para formatar um processo de trabalho e andamento da empresa”, pondera o idealizador do aplicativo. Os repasses aos motoristas também são diferenciados: 80% do valor das corridas em contraposição aos 75% dos concorrentes.

A oferta de serviços também mostra uma preocupação do Garupa em atingir públicos dos quais outros aplicativos parecem buscar mais lentamente. “Partindo para o diferencial de serviço, possuímos vários itens: transporte executivo com cadeirinha, transporte de animais, entre outros que os concorrentes ainda não têm. Mas a característica maior do Garupa é a coragem, é por ser daqui”, considera o empresário.  Entre alguns dos serviços que surgem de demandas dos usuários e que devem funcionar em breve se destaca o Garupa Mulher, para a solicitação de motoristas mulheres.

 

garupa serviços

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O militar aposentado Rafael Patta é um dos “Garupers” que trabalham no município de Santa Maria. De acordo com ele, o início das operações do aplicativo no município auxiliam tanto os motoristas, que muitas vezes precisam de uma fonte de renda extra, assim como ele, quando os passageiros, que desejam um transporte seguro e mais barato que os táxis. “Se não há uma concorrência, o serviço acaba prejudicado em função de um certo desleixo que se gera. Com a competitividade que surge, é necessário mudar para oferecer o melhor serviço ao passageiro”, diz Patta. A empresária Mary Mello é uma das usuárias que aprovou o serviço. “Os motoristas são muito gentis, educados e o mais importante, rápidos. Sou cliente Uber há tempo e nunca havia sido tão bem atendida”, conta.

Questionado sobre uma possível expansão para Porto Alegre e região metropolitana, Marcondes evidencia que o aplicativo está chegando em um momento no qual tudo deve ocorrer naturalmente. “Se me perguntassem o mesmo um, minha resposta seria relativa à estrutura financeira. Como hoje tenho um sócio investidor, o Dilson Stein, um cara que acreditou na minha ideia, é uma questão de tempo”, esclarece o empresário. Em um futuro próximo, mais precisamente até o fim do ano, o plano é que todas as capitais contem com a presença do Garupa App. “É esse bairrismo que nós temos aqui, né?”, finaliza Marcondes.

Lida 3579 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.