Esporte

Futuro de ouro no atletismo

Com conquistas em competições estaduais e nacionais, atleta de Teutônia sonha em chegar às Olimpíadas

Jaqueline Weber. Talvez o nome ainda não seja amplamente conhecido, mas é esperança de medalhas e bons resultados do atletismo estadual. Em Teutônia, interior do Rio Grande do Sul, a jovem atleta de 20 anos já é motivo de orgulho. Hoje, ela mora em Santa Cruz do Sul, onde estuda e treina. Mas é em Teutônia que a maior parte da sua torcida se encontra.

Medalhista do Campeonato Brasileiro, dos Jogos Gaúchos Universitários, do Campeonato Estadual e de diversas outras competições, Jaqueline é destaque em disputas nacionais e até mesmo internacionais. Ela é 7ª colocada no ranking brasileiro sub-23, na prova de 1500m. E ocupa a 15ª posição do ranking nacional adulto. A cada conquista, a cada tempo melhorado, a garota demonstra um futuro promissor dentro das pistas do Brasil e do mundo.

Mas o que é recompensado hoje começou há anos, com muito esforço. Foi nos tempos de escola. Aluna do Colégio Teutônia, escola particular do município, Jaqueline sempre participou de atividades extraclasse. “Desde pequena sempre participei de aulas de flauta, dança, conjunto instrumental, coral e atividades esportivas”, conta. No esporte, a trajetória iniciou com 9 anos, na escolinha de esportes do educandário. Com incentivos dos pais e supervisão do primeiro treinador, Laudenor Brune, teve os primeiros contatos com o atletismo. “Lá, entre diversas modalidades, eu conheci o atletismo, e na minha segunda competição venci a prova de 500m. Ali começava uma paixão e identificação com esse esporte”, explica. Foi nessa época que as medalhas e o gostinho das primeiras vitórias chegaram. “Jamais esquecerei o orgulho de meus familiares quando, ao retornar para casa de pequenas competições, eu trazia algumas medalhas. Medalhas essas que passavam as noites comigo, embaixo de meu travesseiro, tamanha a minha felicidade”, relata.

Dali pra frente o esporte foi se tornando cada vez mais um assunto sério na vida da jovem. Em 2010, a primeira grande competição: o Campeonato Brasileiro. Logo de cara Jaqueline mostrou seu talento. O ouro não chegou, mas um terceiro lugar já demonstrava os resultados que viriam. “Eu tinha uma marca muito expressiva e liderei a prova até os últimos 100m, mas acabei ficando na terceira posição, o que já era algo muito expressivo para uma garota de 15 anos”, comenta. As viagens e competições em diversos estados passaram a ser parte da vida de Jaqueline. As medalhas no Campeonato Brasileiro também. Em 2011, a primeira troca de treinador. Laudenor Brune dava lugar para o novo técnico, Iurquen Roesen. A atleta continuou evoluindo. “No ano seguinte, fui vice-campeã brasileira e convocada pela primeira vez para representar o Brasil em uma competição sul-americana”, relembra. Segundo Jaqueline, a essas alturas o esporte já representava todo o seu futuro.

E foi através desses resultados que ela conquistou uma grande oportunidade: um curso superior. Pela dedicação ao esporte e pelas conquistas obtidas, tornou-se bolsista e atleta da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc). No mesmo ano, recebeu mais uma oportunidade de integrar a seleção brasileira de atletismo.

Jaqueline Weber, 20 anos, corre desde os nove e já conquistou títulos estaduais e nacionais. /Foto: Arquivo pessoal

Nos passos dos medalhistas

Com o talento demonstrado, tudo indicava uma carreira brilhante para Jaqueline. Porém, o início de 2015 trouxe um susto e muita apreensão. No começo do ano a Unisc anunciou o fim da equipe de atletismo. “Todos os atletas que residem em Santa Cruz tiveram seus sonhos ameaçados”, conta. A medida poderia representar o fim do sonho do esporte e até mesmo das bolsas concedidas para os atletas. Mas, graças à união dos próprios esportistas, tudo terminou bem.  A junção de esforços criou a Associação Medalha de Ouro, equipe de Santa Cruz do Sul. “Juntamos forças e criamos uma nova equipe, a Associação Medalha de Ouro, que conseguiu diversas parcerias, uma delas a própria Unisc, que manteve as bolsas de estudo e também me fez continuar na cidade”, relata.

A nova equipe traz como principais nomes os atletas Fabiano Peçanha, medalhista de bronze nos Jogos Pan-Americanos de 2003 e 2007, e Sabine Heitling, medalha de ouro na categoria 3000m com obstáculos no Pan de 2007  e medalha de bronze no Pan de 2011. Como treinador, a equipe tem o pai e técnico de Fabiano, Jorge Peçanha.

Treinar lado a lado com nomes de destaque no esporte em nível nacional impulsiona mais ainda os sonhos de Jaqueline. “É espetacular poder conviver com teus maiores ídolos no esporte. Tenho a oportunidade de vivenciar a rotina deles e tirar de exemplo várias coisas que posso usar em minha carreira”, declara. As dicas e experiência adquiridas aproximam mais ainda a jovem atleta dos passos dos medalhistas. “Com certeza, eu tive um grande crescimento no esporte também por causa deles”, garante.

Sonhos de campeã

O talento e as oportunidades não vieram por acaso. Tudo foi resultado de muito trabalho. Hoje, ela faz do atletismo sua profissão. Este ano uma nova marca impulsionou mais ainda a atleta: o 5º lugar no Troféu Brasil de Atletismo. “Sou atleta de rendimento e vivo disso. Fui quinta colocada da principal competição de clubes do país e da América Latina, e só este ano baixei 8 segundos nas provas de 800m e 1500m”, conta. A baixa da marca é motivo de comemoração e esperança. “Uma nova baixa dessa magnitude me levaria ao índice olímpico, meu maior sonho”, explica. Por tudo isso, a tendência – e o que se espera – é um futuro cada vez mais cheio de realizações. Jaqueline não sonha pequeno. “Quero me firmar no cenário adulto nacional e, como consequência, poder representar o Brasil em grandes competições, como Pan-Americano e Olimpíadas”, afirma.

Os sonhos não ficam só no imaginário da garota. Todo trabalho desenvolvido em seus treinos visa a atingir as metas. “Tenho me dedicando, de corpo e alma. Tenho uma rotina árdua de treinamentos, com cerca de 10 sessões semanais. Além disso, preciso observar a alimentação e os horários de sono. Todo esse conjunto me torna uma atleta melhor” conta. Ela tem participado também de treinamentos especiais. Recentemente, esteve em um camping de treino na altitude de Cachi, na Argentina. Em 2015, prepara-se para novos desafios. “Ainda tenho algumas importantes competições neste ano, tais como os Jogos Universitários Brasileiros e os Jogos Abertos de SP”, comenta.

betaredacao-esporte-jaqueline 2

As medalhas nos campeonatos de hoje fazem Jaqueline ter sonhos maiores. /Foto: Arquivo pessoal

Momentos que impulsionam

Todo atleta precisa de momentos e lembranças que o impulsionam a buscar cada vez mais resultados. Jaqueline Weber possui seu Top 3 de momentos marcantes. Dentre tantas lembranças, competições e conquistas, ela elege os principais. O primeiro é do início da carreira. “Minhas primeiras Olimpiadas Nacionais da Rede Sinodal de Educação, em 2006, quando, com 11 anos, competi com meninas de 18 anos, ‘em casa’, no Colégio Teutônia. Em frente a amigos e familiares, venci a prova. Fui muito aplaudida por todos ao meu redor, fiquei emocionada”, conta.

O segundo momento marcante é o primeiro título do Campeonato Brasileiro, conquistado em 2006. “Venci a prova dos 3000m, que não era minha especialidade, com um lindo sprint final nos últimos 400m. É uma sensação indescritível ser a melhor do Brasil no que você faz”, avalia.

A última lembrança marcante é bastante recente. O 5º lugar no Troféu Brasil de Atletismo, competição mais importante de clubes da América Latina. Apesar de não ter sido uma vitória, a marca é expressiva. “Competi com atletas muito mais experientes e vi que posso, sim, alcançar todos meus objetivos no esporte, através de muito esforço e dedicação”, afirma.

Mas além de marcas e competições importantes, o apoio da família e amigos é combustível ainda mais poderoso. “Um dos motivos que me levam a seguir firme nos treinamentos é poder orgulhar família e amigos, eles sempre foram meus maiores incentivadores no esporte. Todos têm muito orgulho de mim e, assim como eu, sonham em me ver em grandes competições”,  pontua.

Jogo rápido

Seis perguntas para Jaqueline Weber:

Atletismo?

Estilo de vida.

Tua equipe?

Família.

Família?

A base de tudo.

Amigos?

Essenciais.

Sonho?

Olimpíadas.

Jaqueline?

Determinada em alcançar sonhos.

 

 

 

Lida 919 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.