Economia

Expointer é oportunidade para artesãos incrementarem as vendas diretas

Com o grande público, expectativa é de boas vendas e divulgação do trabalho

betaredacao-economia-artesanatoexpointerCom o início da 38ª Expointer, artesãos de todo o Estado se reúnem no Parque Estadual de Exposições Assis Brasil com a expectativa de aumentar os lucros. Paralelo ao evento, até o dia 6 de setembro, ocorre a 32ª Exposição de Artesanatos do Rio Grande do Sul (Expoargs), reunindo comerciantes de 53 municípios gaúchos. Com o grande público atraído pela Expointer (apenas no primeiro final de semana desta edição foram contabilizadas 121 mil pessoas, de acordo com Secretaria de Agricultura e Pecuária do Estado), o evento é uma oportunidade única para os vendedores.

Se a oportunidade é grande para comerciantes de todo o Estado, não é diferente para os de Esteio, munícipio que sedia a exposição. Dentro das esferas, marcas registradas do Parque, 56 artesãos do município montaram suas bancas. Ali, uma grande variedade de produtos é vista, de costura à arte em madeira e outros materiais. Entre eles, destacam-se as pequenas esculturas criadas com conchas por Nilo Antônio dos Santos, 70 anos, e a esposa Zenilda, 62.

betaredacao-economia-artesanatoexpointer2

Integrante do núcleo de artesãos de Esteio, que faz parte do programa “Venha Crescer com Esteio”, do Rio Grande Empreendedor (parceria do município com o Sebrae), Nilo sente-se à vontade nas feiras de artesanato. “O pessoal sempre pára para olhar. Se eu ganhasse só pelos elogios, já estaria rico”, brinca. Com residência em Esteio há 40 anos, Nilo começou a criar as esculturas com conchas durante o período em que morou em Quintão, no litoral. Quando voltou para a região metropolitana, transformou a arte em fonte de renda. Ao longo do seu balcão dentro da esfera vermelha, estão dispostas criações que vão desde porta-lápis, flores e animais, como corujas, à figuras religiosas, todas trabalhadas com as antigas moradias de moluscos.betaredacao-economia-artesanatoexpointer3

A parceria da Prefeitura de Esteio com o Sebrae ajudou o artesão no negócio. “O apoio é muito bom. Em seguida participo de cursos do Sebrae e recentemente nos levaram a uma feira de artesanato em Santa Maria. Parte do que tenho aqui, consegui por eles”, conta Nilo. Aposentados, Nilo e a esposa contam com a renda gerada por sua arte para ajudar nas despesas. Acostumado a participar do Brique da Redenção de Porto Alegre no final de semana, o artesão já colheu bons frutos com suas criações: “Em janeiro e fevereiro já vendi tanto que tinha dias que não chegava em casa com menos de um salário mínimo”, lembra.

Lida 1039 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.