Geral

Contar histórias para mudar vidas

Voluntários contadores de histórias fazem a alegria de muitas crianças internadas

Era uma vez muitas pessoas bondosas que decidiram ajudar crianças hospitalizadas e desanimadas a ver um mundo mais colorido. E foi assim, contando histórias, que nasceu o projeto da Associação Viva e Deixe Viver. A entidade sem fins lucrativos, não governamental existe desde 1997 e é formada por voluntários que prestam serviço gratuitamente. A Associação tem o objetivo de fomentar a educação e cultura na saúde por meio de leituras e de brincadeiras, sempre em busca da transformação e internação de uma criança ou adolescente para tornar um momento mais alegre e até terapêutico.

Conforme a médica Mariana Tinoco, 29 anos, que trabalha em hospital e vivência com as crianças internadas: ‘’Trabalhar o lúdico das crianças em ambientes hospitalar estimula a interação e a socialização.‘’ Infelizmente há uma carência destas atividades intra-hospitalares e principalmente que abrangem o público infantil,  especialmente que acontecem em paralelo a um tratamento auxiliando  o paciente. Para a médica, Mariana, esse serviço não deveria ser só estimulado como também enaltecido.

A associação é certificada pelo Ministério da Justiça como OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público – conforme Lei nº 9790 de 23/03/1999. É reconhecida por  desenvolver um trabalho voluntário de maneira consciente e muito comprometida. Está presente nos estados da  Bahia, Brasília, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul.  Desde de 2004 no Estado, atuando no Hospital da Criança Santo Antônio, localizado na Santa Casa e Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD). Em Porto Alegre, a equipe é composta por 90 voluntários contadores de histórias e sete fazedores de histórias que vêm trabalhando para firmar parcerias com os pacientes, familiar e médicos.

A união com a AACD é recente, e na unidade de Porto Alegre ela existe há seis meses. Mas já faz muitas crianças felizes. ‘’Elas têm o tempo ocioso preenchido com essa atividade lúdica e cultural. Recebem o carinho dos voluntárias do Viva, influenciando na atenção, na imaginação e criação do vínculo.’’ diz Elisabeth Lima, coordenadora dos voluntários da AACD.

Vestidos com aventais  e perucas coloridos, os contadores de histórias contribuem para transformar o ambiente hospitalar em um lugar onde os pequenos possam se sentir valorizados. E também que  os médicos , pacientes e familiares possam ver essa atitude como uma forma de tratamento.

ii-festival-de-historias-52

Brincando na biblioteca do Hospital (Foto: Arquivo pessoal)

 

Entenda o projeto

A ONG atua por meio de voluntários que trabalham para crianças em hospitais e instituições da área da saúde. Cada voluntário atua individualmente ou em dupla fazendo uma leitura de livros recreativa, para adolescentes e crianças que estão internadas. Tanto o Hospital Santo Antônio em Porto Alegre e também a AACD possuem bibliotecas recheadas de livros. E de lá saem as histórias para serem lidas. Além das leituras os voluntários passam algumas horas com os pacientes fazendo brincadeiras e conversando.

‘’ É gratificante poder levar alívio e alegria para uma criança que está hospitalizada, ver naqueles momentos em que estamos contando histórias para ela e brincando, o “mundo” delas fica melhor. E também ver isso nos pais delas e profissionais de saúde, que também são afetados positivamente pela nossa atuação”, comenta Lígia Carneiro, que é voluntária.

A coordenadora administrativa do Viva e Deixe Viver em Porto Alegre,  Idione Rosa, que está no projeto desde de 2007, tem a satisfação em ver o sorriso e a alegria no rosto de cada criança a cada história contada. ‘’Ter alguém para levar um alento em um momento difícil, faz me sentir melhor em poder ajudar”, pontua.

Para ser voluntário, basta ter no mínimo 18 anos, além de completar o curso de formação de voluntários. A preparação dura em média cinco meses, com oito aulas teóricas e três práticas, seminários a cada cinco dias e com vivências nos hospitais acompanhadas por veteranos.

ii-festival-de-historias-48

Voluntárias do Viva e deixe Viver animando as crianças (Foto: Arquivo pessoal)

 

Conheça os principais projetos

Viva Futebol Club: Tem por objetivo conscientizar os adolescentes internados sobre a importância da higienização das mãos, prevenção de doenças causadas como fungos e bactérias. O Viva promoveu diversas atividades ligadas ao esporte relacionado à saúde, como times de futebol.  Que ocorrem em todos os Estados em que a associação atua. As atividades ocorrem nos hospitais durante o mês de outubro. E conta com a participação dos familiares dos pacientes internados.

Teia Viva: É um circuito para aprimorar as habilidade de contar histórias, em diferentes conteúdos e formas de apresentar uma narrativa. São realizadas oficinas das quais os inscritos voluntários podem participar.

Sacola Literária:  Tem o objetivo de ampliar o conhecimento literário dos familiares e pacientes dos hospitais. Todo ano é realizada a sacola literária onde cada família seleciona 5 livros para serem doados a bibliotecas dos hospitais e assim serem lidos pelo voluntários.

Lida 1543 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.