Cultura

Academia Rio-Grandense de Letras lança concurso literário

Premiação é dividida em três modalidades e destaca melhor escritor, melhor livro de poesias e melhor trabalho acadêmico sobre literatura gaúcha

Presidente da ARL, Avelino Collet, fez o lançamento oficial do prêmio. Foto: Caio Riter/Arquivo Pessoal

Instituição centenária que representa a literatura gaúcha e seus escritores, a Academia Rio-Grandense de Letras (ARL) lançou, no último dia 22 de junho, um novo concurso literário. Coordenado pelos acadêmicos Caio Riter e Airton Ortiz, o prêmio da entidade é dedicado a homenagear o escritor do ano, o melhor livro de poesias e a melhor tese ou dissertação sobre a literatura sul-rio-grandense.

Nesta primeira edição, podem concorrer às honrarias livros e trabalhos produzidos durante os anos de 2015 e 2016. Segundo o presidente da ARL, Avelino Alexandre Collet, a criação do certame tem como objetivo dar visibilidade à instituição e aproximá-la da comunidade gaúcha. “Nossa ideia é impulsionar as atividades da Academia e fazer com que as pessoas a conheçam, para que ela se insira na sociedade com mais proficuidade”, afirma ele.

Em seu primeiro ano de realização, o prêmio é dividido em três segmentos. Ao melhor livro de poesias e à melhor tese ou dissertação produzida sobre literatura gaúcha, serão entregues, respectivamente, os Troféus Alceu Wamosy e Dyonélio Machado, ambos patronos da entidade. Já ao escritor do ano, escolhido pelo quadro da ARL, será concedido o Troféu Academia Rio-Grandense de Letras. Conforme o regulamento, o autor escolhido deve possuir uma obra de “permanência, consistência e qualidade”.

 

As premiações

Mais recente escritor a compor o quadro da ARL e idealizador do concurso, Caio Riter relata que a criação de uma distinção exclusiva a livros de poesia se dá pela dificuldade na publicação de obras do gênero. “As editoras costumam dizer que poesia não vende, então é uma maneira de tentar abrir mercado para que mais livros do gênero sejam lançados”, alega. Na mesma linha, Airton Ortiz considera que o Troféu Alceu Wamosy trará uma “importante valorização” ao estilo. “Em tempos de pragmatismo e materialismo exagerado, a poesia só tem a acrescentar”, complemente.

Ortiz também celebra o destaque a um trabalho acadêmico sobre obras ou autores do Rio Grande do Sul, materializado no Troféu Dyonélio Machado. “Não significa que nossa produção seja melhor, pior ou diferente, mas ela retrata o ambiente onde vivemos a partir do olhar dos escritores”, esclarece, ao justificar a deferência. Para ele, a premiação deve estimular os pesquisadores a se debruçarem mais sobre a literatura gaúcha.

Os vencedores de ambos os prêmios serão indicados por um júri técnico convocado pela ARL e composto por integrantes com conhecimento técnico-literário, ao passo que o Troféu Academia Rio-Grandense de Letras será definido exclusivamente pelos acadêmicos. De acordo com Riter, o escritor selecionado será premiado pelo “conjunto da obra”. “O nome será escolhido pelo quadro (atualmente há 38 membros e duas cadeiras vagas) com base na sua trajetória e em suas publicações”, explica.

 

Relevância cultural

“Além da academia, queremos promover o livro e conscientizar as pessoas sobre a importância dele na história de cada um de nós”, resume Airton Ortiz. O literato pondera que a instituição possui representatividade no cenário cultural gaúcho, mas ainda está distante das pessoas. “A entidade acaba passando a impressão de ser um órgão fechado, mas estamos tentando fazer com que ela se volte mais à comunidade”, expõe.

Por sua vez, Caio Riter diz que, durante muitos anos, a ARL se manteve voltada a si mesma. “A academia não pode ser apenas um reduto para congregar escritores, mas também deve se inserir na sociedade”, declara. O escritor ressalta ainda que o concurso tem a pretensão de fomentar um olhar aos autores e à literatura local. “Quando os pesquisadores forem pensar em um corpus, poderão levar em conta que existe um espaço de valorização de seu trabalho”, aponta.

O regulamento completo do prêmio consta no site da Academia Rio-Grandense de Letras. As inscrições para os Troféus Alceu Wamosy e Dyonélio Machado podem ser realizadas de 1º de julho a 31 de agosto. O material deve ser enviado pelo correio ou deixado pessoalmente na sede da ARL, que fica na Rua dos Andradas, 1234 – conj. 1002. A divulgação dos finalistas será realizada em 9 de novembro e a noite de premiações ocorrerá em 1º de dezembro.

Lida 591 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.