Geral

31 de Maio: Dia Mundial sem Tabaco

Saiba mais sobre a data que desde 1987 é utilizada para conscientizar sobre os malefícios do tabaco

 

O tabaco mata uma pessoa a cada seis segundos. / Foto: Joan Valls

O tabagismo é a doença de dependência da nicotina. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) até o início de 2015, 3,9 bilhões de pessoas com 15 anos de idade ou mais fumam regularmente, o que equivale a 78% da população mundial. Mais de 50 doenças podem ser associadas ao hábito, de acordo com o Ministério da Saúde. Dois de cada três fumantes podem morrer em decorrência de doenças relacionadas ao cigarro, mostra uma pesquisa da Universidade Nacional da Austrália.

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) constatou que os usuários do cigarro, comparados aos não fumantes, têm 10 vezes mais chances de adoecer de câncer de pulmão e cinco vezes mais riscos de sofrer um infarto. No ano de 2012, o Instituto registrou em torno de 27 mil novos casos de câncer de pulmão relacionados ao tabagismo. Os consumidores também correm risco dobrado de sofrer derrame cerebral.

O médico pneumologista do Hospital Santa Casa de Porto Alegre, Luis Carlos Correa da Silva, falou em evento especial realizado pela Beta Redação sobre a dependência do tabaco. “O tabagismo é uma doença, não um estilo de vida. Não há simples livre arbítrio para os fumantes”, afirmou. “O tabagismo produz dopamina. A pessoa fuma porque precisa, e não porque quer”, complementou. O evento contou também com a presença do economista Carlos Paiva, da Fundação de Economia e Estatística (FEE), com o engenheiro agrônomo Celso de Almeida Freitas, da Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RS) e, a distância, com os jornalistas João Peres e Moriti Neto, autores da recente reportagem Sob a fumaça, a dependência, editada pela Agência Pública.

 

Evento especial da Beta Redação reuniu o médico da Santa Casa de Porto Alegre Luis Carlos Correa da Silva (centro), o economista Carlos Paiva (à esquerda), da FEE, o engenheiro agrônomo Celso de Almeida Freitas (à direita), da Emater-RS, e os jornalistas João Peres e Moriti Neto (via Skype). / Foto: Rudi Machado.

 

Por esses fatores, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu que o tabaco é uma das cinco maiores ameaças à saúde das pessoas, fator que levou à criação do Dia Mundial Sem Tabaco, celebrado no dia 31 de maio, desde o ano de 1987. O objetivo é motivar as autoridades públicas, corporações, profissionais da saúde e população em geral e estimular a diminuição ou até mesmo a interrupção do uso de tabaco.

Todos os anos os países envolvidos no combate ao tabaco são convidados pela OMS a participar da ação que destaca os riscos à saúde associados ao tabagismo. Além disso, a organização apresenta políticas públicas eficazes para reduzir o consumo. Em 2016, o plano é a adoção de embalagens padronizadas dos produtos do tabaco, que vai possibilitar regulamentações restritivas ou que proíbam o uso de logotipos, cores, imagens de marca ou informações promocionais em maços e embalagens de produtos feitos a partir do tabaco.

De acordo com a OMS, diversos países já estão adaptando as leis para implementar as embalagens padronizadas. Em dezembro de 2012, a Austrália se tornou o primeiro país a exigir essa medida. Em 2015, Irlanda, Reino Unido e França aprovaram leis que obrigam a indústria do tabaco a produzir embalagens padronizadas a partir de maio de 2016. A OMS ressalta que essa é uma importante medida de redução da demanda, que diminui a atratividade dos produtos do tabaco, restringe o uso de embalagens como uma forma de publicidade e promoção e aumenta a eficácia das advertências sanitárias.

No Brasil, o dia 31 de maio também marca ações relevantes da luta do país contra o tabagismo. Nesta data, em 2014, foi regulamentada a Lei Antifumo (nº 12.546/2011), que estabelece a proibição ao uso de qualquer produto fumígeno em locais fechados, públicos ou privados de uso coletivo em todo território nacional – incluindo o banimento dos antigos “fumódromos”. Também foi proibida qualquer tipo de propaganda nos pontos de venda. A nova legislação protege a população do consumo passivo, desestimula o tabagismo, melhora a qualidade do ar e ainda coloca o país em um patamar ainda não alcançado por muitos países – como mostra a cobertura especial que você lê aqui na editoria de Geral da Beta Redação

 

Indicadores preocupantes sobre o consumo do tabagismo. (Gráfico: Amanda Oliveira)

 

  • Colaborou: Rudinei Machado.

Lida 2337 vezes

Comentários

2 comentários sobre “31 de Maio: Dia Mundial sem Tabaco”

  1. Maria gorete disse:

    Como queria parar .d fumar. Mais é difícil. Não consigo não tenho dinheiro para comprar estes adesivos. Não acho nem um programa dado pelos sua pra mi ajudar…

    1. José Peixoto disse:

      Maria Gorete, li aqui no site outra matéria que fala que é possível para de fumar, acho que vale a pena você ler também. Sei que é difícil, mas é possível, não só por ter lido esta matéria, mas porque minha mãe, que fumava desde muito jovem, conseguiu parar, graças a força de vontade dela. Espero, torço, que consiga também.
      Essa é a matéria http://www.betaredacao.com.br/e-possivel-parar-de-fumar/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor resolva a equação * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.